segurança

Membros do grupo que matou jovem à porta de discoteca condenados a penas até 20 anos

Membros do grupo que matou jovem à porta de discoteca condenados a penas até 20 anos

Os arguidos, com idades entre os 24 e os 39 anos, que estavam acusados, em coautoria, pelo homicídio qualificado de Hemerson Fortkamp, de 30 anos, à porta da discoteca Kapital, em janeiro do ano passado, em Lisboa foram condenados a penas entre os 18 e os 20 anos de prisão na tarde desta sexta-feira, nas Varas Criminais de Lisboa.

Segundo o despacho de acusação do Ministério Público os arguidos, "por razões não concretamente apuradas", iniciaram, no interior da discoteca Kapital, uma discussão verbal com Hemerson Fortkamp e André Fresneda, "motivada pela nacionalidade destes".

No decurso da altercação, os cinco elementos "combinaram e delinearam um plano para pôr termo à vida dos dois homens, dizendo-lhes que os aguardavam lá fora", refere a acusação.

Já no exterior do estabelecimento noturno, os ofendidos tentaram fugir, mas foram perseguidos e intercetados por dois dos arguidos que "começaram a dar-lhes pontapés e socos". As duas vítimas "conseguiram libertar-se", mas acabaram por ser alcançadas no Largo de Santos, no qual os arguidos "reiniciaram as agressões".

O MP acrescenta que uma arguida "descalçou uma das botas de salto agulha que trazia calçadas e bateu com a mesma, por diversas vezes, na cabeça de Hemerson Fortkamp", ao mesmo tempo que outra arguida "pontapeava a vítima, sempre na cabeça".

Um transeunte, ao aperceber-se da situação, "começou a gritar, pedindo aos arguidos para que parassem com as agressões". Quando tentava separar os agressores do ofendido, uma das arguidas "bateu-lhe com uma garrafa de cerveja na cabeça, causando-lhe um corte no sobrolho".

Enquanto Hemerson Fortkamp estava "prostrado no chão e sem reação", o companheiro André Fresneda conseguiu fugir para a paragem de táxis da Avenida D. Carlos I, mas foi retirado do interior de um táxi pelos arguidos, que, segundo a acusação, "também tinham a intenção de o matar".

O MP sustenta que, no momento em que um dos arguidos "empunhou um objeto com uma lâmina na direção de André Fresneda", um segurança que se encontrava à porta de outra discoteca deslocou-se ao local, tendo os arguidos fugido.

Hemerson Fortkamp foi transportado para o Hospital de São José, mas viria a morrer na tarde desse dia.

* com Lusa