segurança

Proibição do tribunal de estar sozinha com os filhos levou à tragédia

Proibição do tribunal de estar sozinha com os filhos levou à tragédia

Quatro dias antes do crime, Eliana Sanchez soube que nunca mais ia poder estar sozinha com os filhos. Uma decisão do tribunal que pode ter levado a mãe a assassinar os dois rapazes e pôr fim à sua vida.

Além de a obrigar a entregar os filhos ao pai, o tribunal proibiu a mãe de os visitar sem supervisão e determinou que as visitas decorressem em casa de familiares. A decisão, tomada faz hoje uma semana, tinha "efeitos imediatos", como confirmou ao JN o Instituto da Segurança Social.

A proibição terá desencadeado uma reação de Eliana Sanchez - uma professora de Artes Visuais, de 40 anos, que já sofria de depressão - e as autoridades pensam que pode ter sido isto a desencadear a tragédia, ocorrida em Oeiras. A mudança de estado de espírito não passou despercebida junto da vizinhança, logo no dia seguinte (ver texto ao lado).

Asfixia e envenenamento

Ontem ficou concluída a primeira fase das autópsias e já é certo que Eliana Sanches morreu por asfixia, enquanto os filhos morreram envenenados por ingestão de produto ainda não determinado, misturado em bolos dados a a David, de 13 anos, e Ruben, de 12, apurou o JN.

Só exames mais exaustivos que ainda demorarão permitirão identificar o veneno. A primeira suspeita de envenenamento resultou logo da análise aos corpos dos menores ainda no local. O carro tinha no interior algum sangue, que terá resultado do vómito das vítimas, como reação à presença do veneno no organismo.

Já a morte da mãe ocorreu por asfixia, através da colocação pela própria de um saco de plástico na cabeça, mas fontes policiais acreditam que Eliana Sanchez possa ter tomado algum calmante, uma vez que as mãos não estavam manietadas e a reação instintiva seria tentar arrancar o saco, algo que também está sob investigação.

Matrícula alterada

Os agentes da PSP que estiveram no local perceberam que um número e uma letra da matrícula do Opel Astra onde estavam os corpos dos dois rapazes tinham sido alterados com uma fita adesiva. O facto não está ainda explicado. O carro estava registado na morada dos avós maternos das crianças.

A PSP chegou ao local por volta das 18.30 horas de domingo, alertada por um segurança do complexo do Jamor. Os bombeiros tiveram que partir o vidro do automóvel. O corpo da mãe foi descoberto a cerca de 100 metros, com cortes nos pulsos.