segurança

PSP diz que tomou "as medidas adequadas" para conter manifestantes

PSP diz que tomou "as medidas adequadas" para conter manifestantes

O porta-voz do Comando Metropolitano da PSP de Lisboa, comissário Rui Costa, disse que "houve uma adequação dos meios policiais ao policiamento de milhares de manifestantes", durante a manifestação desta quinta-feira.

Rui Costa garantiu também que, da parte da PSP, "foram tomadas as medidas adequadas".

Questionado pelos jornalistas sobre a subida de alguns degraus da escadaria frontal do Parlamento por parte de vários manifestantes, afirmou que a PSP recuou um passo atrás para dar dois à frente, garantindo que não houve tratamento diferenciado pelo facto de serem elementos das forças de segurança.

"Não há na Constituição diferenças entre cidadãos portugueses", afirmou.

Entretanto, fonte da PSP disse à agência que foram mobilizadas todas as equipas de intervenção rápida das divisões de Cascais, Loures, Odivelas, Sintra e Amadora e mais uma de Setúbal.

Para fazer o policiamento junto da AR estiveram também elementos do Corpo de Intervenção de Lisboa, Porto e Faro além de equipas cinotécnicas.

Dez feridos e duas pessoas identificadas por desacatos é o resultado da manifestação dos profissionais das forças e serviços de segurança que terminou na Assembleia da República.

O porta-voz do comando metropolitano de Lisboa adiantou aos jornalistas que as pessoas identificadas por desacatos e eventuais infrações poderão ser objeto de processo criminais. "Foram identificados dois indivíduos que poderão processos crimes", disse.

O porta-voz da PSP adiantou também que dez pessoas, seis polícias e quatro manifestantes, foram assistidas pelo INEM no local.

Os dois manifestantes feridos tiveram posteriormente de ser transportados para o hospital, mas com ferimentos ligeiros.