Reclusos

Recluso assassinado na cadeia do Linhó

Recluso assassinado na cadeia do Linhó

Uma violenta rixa entre vários reclusos provocada pela tentativa de furto de um telemóvel, domingo de manhã, na cadeia do Linhó, em Cascais, resultou na morte de um dos presos, de 27 anos, golpeado num ombro e no abdómen, com uma arma artesanal. O presumível agressor já foi identificado.

Foi na hora do recreio, ao mesmo tempo que decorriam as visitas dominicais, que vários reclusos se envolveram em confrontos. Pelo que o JN apurou, um recluso que nada tinha a ver, até então, com os desacatos tentou separar os envolvidos, acabando por ser agredido. Em retaliação, sacou de uma arma perfurante artesanal, aparentemente fabricada na cadeia a partir de um ferro, e atingiu duas vezes quem o tinha agredido. Esta versão, considerada credível pelas autoridades, ainda não está totalmente confirmada, uma vez que existe a possibilidade de haver outros envolvidos no homicídio.

A vítima, de 27 anos, Libanga dos Santos, acabou por morrer na enfermaria da cadeia, para onde tinha sido transportada por um recluso. Este recluso estava a cumprir uma pena de sete anos e meio de cadeia por furtos e roubos. O indivíduo estava preso desde 2008 e tinha sido transferido para o estabelecimento prisional do Linhó, em 2011, depois de ter passado pela cadeia de Lisboa.

Depois de ter sido dado o alerta, os guardas restabeleceram a ordem, com a ajuda da GNR, e isolaram os envolvidos para serem ouvidos por uma procuradora do Ministério Público e pela Polícia Judiciária. O presumível agressor foi então identificado pelas autoridades que ainda estão a investigar a eventual participação de outros reclusos nos confrontos de que resultou a morte. foram apreendidos nas prisões em 2013 pelos guardas prisionais nas cadeias portuguesas. O seu uso é proibido.

Segundo o Relatório de Segurança Interna (RASI), 67 armas brancas foram encontradas e apreendidas nas prisões, durante o ano de 2013 . O crime de ontem foi praticado com uma arma feita na prisão, que consiste num simples ferro afiado e facilmente escondido pelos reclusos.

No mesmo ano, foram registadas 27 agressões a guardas prisionais perpetradas por reclusos. Segundo o RASI, foram apreendidos mais de seis quilos de haxixe, perto de um quilo de heroína e ainda 146 gramas de cocaína.

Imobusiness