segurança

Santa Casa alerta PJ para lavagem de dinheiro com prémios

Santa Casa alerta PJ para lavagem de dinheiro com prémios

Se ganhar um bom prémio no Euromilhões ou noutro jogo, é possível que alguém queira comprar-lho. Desde 2012, a Santa Casa denunciou 34 casos em que os prémios podem ter sido usados para lavar dinheiro sujo.

Concessionária dos jogos sociais do Estado, a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) é uma das entidades não financeiras que estão obrigadas a comunicar à Unidade de Informação Financeira da Polícia Judiciária (UIF/PJ) e ao Ministério Público, as operações que levantem suspeitas de branqueamento de capitais. E, nos últimos relatórios de atividades da UIF, constata-se que a Santa Casa fez 13 alertas daquele tipo em 2012, oito em 2013 e novamente 13 em 2014. Em 2011, só fora registado um caso.

Os sucintos relatórios da UIF nada dizem sobre o teor das comunicações da SCML, nem sobre o montante do dinheiro eventualmente "branqueado", mas uma fonte policial explica que está em causa "um esquema clássico de branqueamento". Vem do tempo áureo das lotarias, terá ganho com o anonimato das apostas no Euromilhões e no Totoloto (antigamente, o apostador escrevia o seu nome no boletim) e pode ter tido novo incentivo quando, em 2013, o Fisco passou a ficar com 20% dos prémios.

Leia mais na versão e-paper ou na edição impressa.