segurança

Tribunal nega liberdade condicional a Mário Machado

Tribunal nega liberdade condicional a Mário Machado

O Tribunal de Execução de Penas negou a Mário Machado o pedido de liberdade condicional. Apesar do líder nacionalista já ter cumprido metade da pena de prisão - depois de ter sido condenado a quatro anos e dez meses por oito crimes, entre os quais, discriminação racial, ofensas à integridade física e posse ilegal de armas -, o tribunal entendeu que não estavam reunidas as condições para tal pressuposto.

Ao que o JN apurou, o juiz que decretou a sentença apoiou o parecer do conselho técnico - que realiza o relatório social do recluso -, que por unanimidade negou tal intenção à defesa do líder conotado com movimentos de extrema direita.

O juiz fundamentou ainda a decisão com o facto de Mário Machado ter pendente um cúmulo jurídico, referente a uma condenação que ainda não transitou em julgado e também devido à ausência do pagamento da indemnização a Daniel Oliveira, num processo em que foi condenado por ameaça ao jornalista.

Recorde-se que o líder da Hammerskin Portugal foi condenado, em Agosto do ano passado, a sete anos e dois meses de prisão por dois crimes de roubo, dois de sequestro e dois de coacção, pelo Tribunal de Loures, mas tal decisão está ainda em fase de recurso.

Mário Machado vai continuar no regime de alta segurança, ao qual está obrigado desde que foi detido e terá agora de esperar mais seis meses, altura em que a sua defesa poderá voltar a pedir para a situação ser revista.