Ourivesaria

Metade das ourivesarias do Porto foram assaltadas ou alvo de tentativa

Metade das ourivesarias do Porto foram assaltadas ou alvo de tentativa

Um estudo realizado por alunos de Criminologia do Instituto Superior da Maia concluiu que metade das ourivesarias do Porto já foi alvo de assalto ou tentativa de assalto, tendo 65% destas ocorrências acontecido nos últimos três anos.

Os resultados preliminares do estudo intitulado "Da investigação à ação: prevenção da criminalidade associada às ourivesarias e relojoarias" - que sustenta o trabalho de dois alunos finalistas da licenciatura de Criminologia do Instituto Superior da Maia (ISMAI) - indicam que "50 por cento dos estabelecimentos na área do Município do Porto foram alvo de roubo ou de tentativa de roubo e que a maior parte dos roubos/tentativas decorreu no ano de 2010 (28%)".

"No entanto, é possível identificar, ainda, o facto de 64 por cento dos roubos/tentativas terem acontecido nos últimos três anos (2009, 2010 e 2011)", acrescenta o comunicado sobre o estudo a que a Agência Lusa teve acesso.

Segundo a amostra recolhida pelos estudantes, os assaltos ou tentativas de assalto são efetuados por pessoas que se fizeram passar por clientes (91 por cento), chegando ao local do crime com a face descoberta e sem forçar a entrada, sendo o ouro o tipo de artigo mais roubado (78 por cento).

"Em termos de segurança, a maior parte dos estabelecimentos apresentava-se munido, antes do roubo, com equipamentos como gradeamentos e alarme (100 por cento), espelhos e CCTV (82 por cento), montras com vidros reforçados (73 por cento), portas duplas e/ou eletrónicas (18 por cento), alarme de pânico, cofre com abertura retardada e atendimento cliente a cliente (45 por cento)", acrescenta.

Sessenta e quatro por cento dos estabelecimentos referiram ainda que a polícia ou nunca passava pelo seu estabelecimento ou apenas o fazia, no máximo, de seis em seis meses, tendo 23 por cento dito que era habitual ver a polícia nas proximidades pelo menos uma vez por semana.

"Os alunos do ISMAI pretendem com este estudo demonstrar que o assalto ou tentativas de assalto às ourivesarias tem sido um fenómeno muito presente na realidade portuguesa e que tem vindo a crescer a um ritmo veloz, com consequências dramáticas para os seus proprietários e para a sociedade de uma forma geral, na medida em que contribui para um aumento do sentimento de insegurança e reflete a vulnerabilidade deste tipo de estabelecimentos", referem.

PUB

Os alunos e os docentes do ISMAI que lideram este projeto querem, após a conclusão do estudo, dotar este sector económico com ferramentas físicas e comportamentais que possam atenuar ou fazer diminuir o número de assaltos a ourivesarias.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG