segurança

Prisão preventiva para António Figueiredo e empresário chinês

Prisão preventiva para António Figueiredo e empresário chinês

António Figueiredo, presidente do Instituto dos Registos e Notariado, e o empresário chinês Zhu Xiaodong ficaram sujeitos a prisão preventiva após primeiro interrogatório judicial. A medida de coação mais gravosa foi ainda aplicada a Manuel Jarmela Palos, Maria Antónia Anes e Jaime Gomes, até que esteja concluído o relatório para atribuição de pulseira eletrónica. As medidas de coação aos 11 arguidos detidos no âmbito da operação Labirinto foram conhecidas esta terça-feira à noite.

O interrogatório aos 11 arguidos teve início no passado dia 14 e terminou, esta terça-feira, pelas 14.00 horas. As medidas de coação aplicadas pelo juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal de Lisboa foram divulgadas, esta terça-feira, cerca das 22.00 horas.

Cinco dos 11 arguidos do caso dos vistos gold vão ficar em prisão preventiva, mas três deles podem ver a medida convertida em pulseira eletrónica.

O presidente do Instituto dos Registos e Notariado, António Figueiredo, e o empresário chinês Zhu Xiaodong ficam em prisão preventiva.

A ex-secretária-geral do Ministério da Justiça Maria Antónia Anes, Jaime Gomes, sócio-gerente da empresa JMF Projects and Business, e Manuel Jarmela Palos, diretor nacional do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), ficam em prisão preventiva, uma medida de coação que poderá ser convertida em pulseira eletrónica após estarem concluídos os procedimentos necessários para o efeito.

Os arguidos Paulo Eliseu, Paulo Vieira, José Manuel Gonçalves e Abílio Silva foram suspensos das suas funções nos serviços centrais do Instituto dos Registos e Notariado e proibidos de estabelecerem contactos com funcionários dos referidos serviços.

Quanto aos cidadãos chineses Zhu Baoe e Xia Baoliang, ficam proibidos de se ausentar para o estrangeiro, e terão de pagar uma caução de 250 mil euros (para a arguida Zhu Baoe), e de 500 mil euros (para o arguido Xia Baoliang).

Neste caso são investigados, segundo o comunicado do Tribunal, factos suscetíveis de integrarem a prática de crimes de corrupção ativa e passiva, recebimento indevido de vantagem, prevaricação, peculato de uso, abuso de poder e tráfico de influência.

O juiz decidiu ainda que a arguida Maria Antónia Anes, Jaime Gomes e Manuel Jarmela Palos, ficam proibidos de contactar com elementos em funções atuais ou passadas no SEF, no Serviço de Informação e Segurança, na Polícia Judiciária, no Ministério da Administração Interna e da Magistratura Judicial e do Ministério Público.

Os 11 arguidos foram detidos no âmbito da operação Labirinto, que investiga uma alegada rede de corrupção na atribuição dos vistos gold em Portugal.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG