segurança

Prisão preventiva para ex-funcionário das Finanças suspeito de corrupção

Prisão preventiva para ex-funcionário das Finanças suspeito de corrupção

Um ex-funcionário da administração fiscal, suspeito de corrupção, vai ficar em prisão preventiva e uma funcionária em prisão domiciliária com pulseira electrónica. Outro ex-funcionário ficou proibido de contactar os dois arguidos.

Os três arguidos, que foram presentes à autoridade judiciária titular do inquérito, no Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa, estão indiciados da co-autoria de vários crimes de corrupção passiva para acto ilícito.

Em causa está o fornecimento a terceiros de informações fiscais, bancárias, patrimoniais e do protelamento de obrigações fiscais, bem como alteração de documentos e registos públicos, em troca de dinheiro.

Após primeiro interrogatório judicial, um ex-funcionário da administração fiscal ficou em prisão preventiva, uma funcionária ficou em prisão domiciliária com pulseira electrónica e um terceiro suspeito, também ex-funcionário da administração fiscal, ficou proibido de contactos com os outros dois arguidos e com trabalhadores da administração fiscal.

À funcionária foram ainda aplicadas a suspensão do exercício de funções e a proibição de contactos com os outros arguidos e com funcionários da administração fiscal.

A detenção dos suspeitos, por parte da PJ, foi o culminar de uma operação que partiu de uma denúncia da Direcção das Finanças de Lisboa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG