segurança

Prostituta diz que arguido lhe levou Rui Pedro no dia do desaparecimento

Prostituta diz que arguido lhe levou Rui Pedro no dia do desaparecimento

Uma prostituta disse no tribunal de Lousada ter a "certeza absoluta" de que esteve com Rui Pedro no dia do desaparecimento do rapaz, que foi levado por Afonso Dias, arguido acusado de um crime de rapto qualificado.

"Tenho a certeza absoluta que era aquele menino", afirmou Alcina Dias ao tribunal, depois de lhe ter sido exibida uma fotografia de Rui Pedro.

Questionada pelo colectivo sobre se o homem que levou a criança era o mesmo que se encontrava hoje sentado no banco dos réus, a testemunha voltou-se para trás, fixou os olhos durante alguns segundos em Afonso Dias e respondeu: "É sim senhor".

A testemunha contou ao tribunal que a criança lhe foi levada num veículo preto, conduzido por um homem jovem que identificou como sendo Afonso Dias.

Em Lustosa, o arguido, depois de perguntar à prostituta se estava de serviço, deu-lhe dois mil escudos para que esta tivesse relações sexuais com o menor, o que não veio a ocorrer.

Alcina Dias esclareceu que Rui Pedro estava muito nervoso e começou a chorar quando saiu do carro.

A testemunha citou as palavras de Rui Pedro naquele momento: "Foi ele [Afonso Dias] que me obrigou a vir às meninas".

Segundo Alcina Dias, a criança, sempre "muito ansiosa", identificou o homem como Afonso Dias, como sendo seu tio e que estava naquele local sem consentimento da mãe.

Ao tribunal, a testemunha afirmou que esteve cerca de 15 minutos a conversar com o menor, procurando acalmá-lo, num local afastado do automóvel, enquanto o arguido se mantinha no interior do veículo.

Disse também que, após a conversa, conduziu Rui Pedro ao carro e que a criança chorava quando entrou no automóvel, que arrancou em direção a Lousada.

"Nunca mais o vi", garantiu ao coletivo.

Alcina Dias disse que reconheceu o menor, poucas horas após o seu desaparecimento, quando começou a ver as fotografias nos jornais e na televisão, garantindo que foi sempre isso que disse às autoridades.

A sessão ficou marcada por um requerimento da defesa a propósito de alegadas contradições nos depoimentos da testemunha na fase de inquérito com o que afirmou hoje em tribunal.

Pedindo a leitura dos autos, o que foi aceite, o advogado sublinhou que nunca antes a testemunha identificara de forma inequívoca o condutor do automóvel como sendo Afonso Dias.

Alcina Dias esclareceu que nas três vezes que falou às autoridades nunca lhe tinham perguntado o nome do homem. No entanto, acrescentou, foi possível identificar hoje em julgamento Afonso Dias porque lhe foi permitido, pela primeira vez, observá-lo presencialmente.

O advogado da família de Rui Pedro elogiou o depoimento da testemunha, considerando-o "corajoso e muito relevante" para o apuramento da verdade.

O tribunal marcou para o dia 14, às 09:30, em Lustosa, uma reconstituição do encontro de Alcina Dias com Rui Pedro.

O julgamento prossegue esta segunda-feira à tarde, com a audição de mais alguns familiares de Rui Pedro.