O Jogo ao Vivo

Timor–Leste

Sindicato da PSP anuncia queixa formal por falta de apoio na chegada do contingente de Timor-Leste

Sindicato da PSP anuncia queixa formal por falta de apoio na chegada do contingente de Timor-Leste

O Sindicato Nacional da PSP anunciou, domingo à noite, que vai apresentar queixa formal pela "falta de apoio logístico" à chegada do contingente da PSP de Timor-Leste a Lisboa e pelo curto descanso dos agentes até entrarem ao serviço.

Em declarações à agência Lusa, Armando Ferreira, dirigente do SINAPOL, revelou que segunda-feira segue para o ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, e para a direção nacional da PSP um protesto oficial.

Em causa está a chegada, na madrugada de hoje, de um contingente da PSP e GNR ao aeroporto militar de Figo Maduro, em Lisboa.

Segundo o dirigente sindical, enquanto os agentes da polícia, depois de "22 horas de viagem", carregaram malas "durante uma hora num trajeto superior a 200 metros", os militares da guarda tiveram apoio logístico.

Dada a proibição de viatura privadas no espaço militar, a GNR disponibilizou os seus autocarros, que têm permissão para recolher as bagagens na área da pista de aterragem, notou Armando Ferreira.

Há um ano, no regresso de um anterior contingente, o SINAPOL recebeu informações sobre a situação e, por isso, na madrugada de hoje deslocou-se ao local para testemunhar a chegada dos agentes da PSP.

"É, de facto, uma falha da PSP e que não deveria acontecer porque a instituição tem os meios", criticou o dirigente sindical, lembrando que as bagagens dos agentes pesam até 200 ou 300 quilos, uma vez que estes estiveram um ano em Timor-Leste.

PUB

Armando Ferreira realçou ainda que muitos dos agentes que hoje chegaram acrescentaram outra viajem até à área onde trabalham.

"Alguns viajaram mais três ou quatro horas de carro e amanhã (segunda-feira), às 09:00, são forçados a apresentarem-se ao serviço. Os agentes deviam ter pelo menos um dia para descansar", afirmou o sindicalista.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG