Sociedade

"A esperança acabou. Só queremos que o mar devolva os corpos"

"A esperança acabou. Só queremos que o mar devolva os corpos"

Um pedaço de madeira, com letras que identificam o "Santa Maria dos Anjos", deu à costa esta quinta-feira de manhã. Os familiares dos cinco pescadores desaparecidos, quarta-feira, em Sintra, regressam a casa, sem esperança. "Agora, só queremos que o mar nos devolva os corpos".

Os familiares dos cinco pescadores desaparecidos, quarta-feira, num naufrágio ao largo de Sintra, estão já de regresso às Caxinas, de onde são oriundos quatro dos homens.

"A esperança acabou. Agora só queremos que o mar nos devolva os corpos", desabafou Marisa Sousa, sobrinha de Isaac Martins, contramestre da embarcação. "É uma dor imensa", contou ao JN.

"As famílias precisam de começar a fazer o luto, mas sem os corpos é muito mais difícil", disse a presidente da Câmara de Vila do Conde, Elisa Ferraz, que acompanhou as famílias desde quarta-feira ao final da tarde e agora regressa ao Norte.

Cerca das 12.30 horas desta quinta-feira, familiares dos pescadores desaparecidos iniciaram o regresso à zona piscatória entre a Póvoa de Varzim e Vila do Conde, numa carrinha de nove lugares cedida pela autarquia.

Os familiares das vítimas chegaram à Praia das Maças ao fim do dia de quarta-feira. Receberam apoio psicológico numa tenda do INEM, montada no local, e passaram a noite num hotel, cedido pela Câmara Municipal de Sintra, e voltam a casa sem esperança. Só com dor.

"Não é fácil, esta situação. Por vezes, sentimos uma réstia de esperança [de encontrar sobreviventes], mas quando olhamos para este mar tão agitado percebemos que é muito difícil", disse ao JN a vereadora da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim.

PUB

O mar está agitado, as buscas são difíceis, mas prosseguem, apesar das previsões de agravamento do estado do mar, a partir das 15 horas, que vai dificultar mais o esforço das autoridades.

Esta quinta-feira de manhã, um pedaço de madeira, com letras que permitem identificar a embarcação, foi encontrado na praia do Magoito. É o destroço mais significativo, e esclarecedor, de vários que têm dado às praias na zona de Sintra desde quarta-feira à tarde.

O "Santa Maria dos Anjos" naufragou na madrugada de quarta-feira, por razões desconhecidas, a cerca de uma milha náutica da Praia das Maçãs, em Sintra. Um pescador sobreviveu e foi encontrado a bater à porta de uma casa em Azenhas do Mar, por um guarda noturno que o acolheu.

Natural de França, Henry, de 26 anos, vive em Portugal desde os três anos. Foi assistido no hospital Amadora-Sintra e teve alta ainda durante a manhã de quarta-feira. Foi já ouvido pelas autoridades marítimas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG