Sociedade

Análises a dois portugueses não acusam infecção por E.coli

Análises a dois portugueses não acusam infecção por E.coli

As análises aos dois casos suspeitos de infecção pela bactéria E.coli registados em Portugal continental deram resultados negativos, informou, esta sexta-feira, a ministra da Saúde, Ana Jorge.

"Dos dois casos registados no continente, no Norte do país, de duas pessoas que vieram da região de Hamburgo, a análise foi negativa", disse Ana Jorge à agência Lusa.

Ainda se aguardam os resultados relativamente ao caso referenciado na Madeira.

A ministra frisou que estas duas pessoas "nunca estiveram internadas em nenhum hospital", "tiveram uma sintomatologia ligeira e fizeram as análises".

Quanto ao terceiro caso, de um homem que está internado na Madeira, "ainda não há confirmação".

"Ainda não saíram os resultados da análise para confirmar se há ou não infecção com E.coli e, caso haja, qual é o tipo em causa", disse Ana Jorge, afirmando que "são análises que vão demorar mais algum tempo".

De acordo com a ministra, também esta pessoa "veio da Alemanha".

Ana Jorge garante que "não há indicação de mais nenhuma suspeita em Portugal".

"Não houve mais nenhuma sinalização e há neste momento um sistema de alerta em todos os serviços de saúde", pelo que, sempre que alguém apresenta suspeitas de ter contraído E.coli, o doente será identificado, registado e informada a Direcção-Geral de Saúde, referiu.

Um surto infeccioso da bactéria E.coli foi detectado na Alemanha na semana passada, tendo provocado 18 mortos e afectado milhares de pessoas. Morreram 17 pessoas na Alemanha e uma na Suécia.

Apesar de as autoridades terem inicialmente atribuído o surto à contaminação de pepinos espanhóis, a origem da infecção continua desconhecida.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou tratar-se de uma nova estirpe da bactéria.

A ministra alertou para os "títulos alarmistas" que têm sido publicados em alguns jornais e "que não beneficiam nada".

"Devem evitar-se títulos que criam pânico na população", disse, lembrando que "não há nenhum risco conhecido em Portugal para que as pessoas evitem comer saladas ou legumes".

Entretanto, as análises realizadas pela Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) a pepinos espanhóis, retidos num armazém em Portugal, para detectar a presença da bactéria E.coli, continuam a dar "negativo", disse uma fonte do organismo.

A ASAE desencadeou, entre sexta-feira passada e terça-feira, uma "operação de controlo" para verificar se havia à venda em Portugal pepinos provenientes de Espanha.

Esta acção foi realizada antes de a Alemanha ter anunciado que, ao contrário do que se pensava, a origem do surto infeccioso com a bactéria Escherichia coli (E.coli) não estava nos pepinos espanhóis.