Sociedade

Arquidiocese de Los Angeles paga 8 milhões a vítimas de abusos sexuais

Arquidiocese de Los Angeles paga 8 milhões a vítimas de abusos sexuais

A arquidiocese católica de Los Angeles concordou em pagar cerca de dez milhões de dólares (oito milhões de euros) a quatro homens que alegam terem sido molestados por um padre nos anos 70, disseram esta quarta-feira os seus advogados.

O acordo foi alcançado este mês entre os advogados que representam os homens, o antigo padre envolvido e o cardeal de Los Angeles, Roger Mahony, que está a participar no conclave para escolher um novo Papa, apesar dos protestos das vítimas.

A divulgação, há muito atrasada, em fevereiro, de centenas de queixas contra abusos, ocorrida na mesma altura em que foram retiradas responsabilidades a Mahony por má gestão dos escândalos, ajudou a precipitar os acordos, disse um advogado.

O padre envolvido, o reverend Michael Baker, molestou repetidamente as quatro vítimas nos anos 70, incluindo durante viagens noturnas a San Diego, revelam os documentos legais.

As queixas indicam que o então arcebispo Mahony autorizou a permanência de Baker como religioso, mesmo quando este admitiu, em 1986, que tinha abusado sexualmente de menores no passado.

Baker foi preso, condenado a 10 anos, em dezembro de 2007, depois de se confessar culpado por 12 acusações de cópula oral com menor, envolvendo dois das vítimas agora indemnizadas, mas foi libertado em outubro de 2011.

A arquidiocese de Los angeles divulgou, em fevereiro, ficheiros sobre cem clérigos acusados de abusos sexuais, incluindo alguns onde Mahony aparece a discutir como encobrir os alegados crimes.

A arquidiocese não comentou a decisão judicial e os advogados convocaram uma conferência de imprensa para quinta-feira para darem mais detalhes.

Mahony viajou para Roma para participar no conclave, apesar dos apelos de grupos de vítimas para que ficasse nos EUA, no seguimento da divulgação do seu papel na cobertura dos alegados abusos.

As responsabilidades religiosas de Mahony, que se reformou em 2011, foram-lhe retiradas em janeiro pelo seu sucessor, o arcebispo Jose Gomez, por ter gerido mal as queixas contra dezenas de padres.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG