Sociedade

Audição pública do BE sobre touradas marcada por insultos e ameaças

Audição pública do BE sobre touradas marcada por insultos e ameaças

Um aceso confronto de argumentos pró e contra as touradas, pontuado por insultos e ameaças, marcou esta sexta-feira a audição pública convocada pelo Bloco de Esquerda para debater o fim do apoio institucional a espetáculos tauromáquicos.

Esta matéria consta de um dos dois projetos de lei apresentados pelo BE - no outro, defende-se que seja proibida a exibição de touradas na televisão pública - que serão debatidos na Assembleia da República a 4 de julho.

A sessão começou logo com um incidente. Enquanto a deputada bloquista Catarina Martins explicava o conteúdo dos dois projetos de lei, uma assessora do BE tirou uma foto à plateia, onde se encontravam cerca de 70 pessoas, e vários dos elementos pró-tourada insurgiram-se de imediato, exigindo que a fotografia fosse eliminada à frente deles.

Após uma inflamada troca de palavras, contentaram-se, a contragosto, com a garantia do deputado bloquista que moderava o debate, Pedro Filipe Soares, de que a imagem seria apagada.

"Então, é consigo que eu venho falar se a fotografia sair amanhã no jornal", rematou um dos indignados fotografados.

Depois, seguiu-se hora e meia de intervenções de representantes de associações e movimentos e de algumas pessoas que falavam a título individual, algumas de tom mais sério, com posições fundamentadas, outras mais revoltadas e sarcásticas, com acusações e interrupções de parte a parte, recebidas com palmas e "olés" no final.

Catarina Martins sublinhou, no início da sessão e depois, novamente, no final, que nenhum dos projetos de lei do Bloco de Esquerda "sugere a proibição das touradas", embora a realidade dos maus-tratos infligidos aos animais "não seja subjetiva", porque existe conhecimento científico sobre o sofrimento animal.

"A única coisa que o BE defende, nestes seus projetos de lei, é que o Estado, o dinheiro público, não deve financiar a exposição do sofrimento animal" e que a RTP não deve exibir espetáculos tauromáquicos, frisou.

"Com estas leis, ninguém fica proibido de fazer touradas, assistir a touradas ou mesmo transmiti-las em circuito fechado, onde bem lhe aprouver. O que está aqui em causa é o apoio público", insistiu.

Apesar destes esclarecimentos, houve quem defendesse que, como a tourada faz parte da herança cultural portuguesa, acabar com ela seria "uma medida ditatorial", que as pessoas que se manifestam em locais públicos contra a realização de touradas são pagas, recebendo 25 euros cada uma, e que "quem gosta de toiros não é atrasado mental" - embora ninguém, durante a sessão, tenha assim designado os apoiantes da tourada.

Um acérrimo defensor da causa tauromáquica chegou mesmo a insultar a presidente da Associação Animal, Rita Silva, que falara antes, acusando-a de "falta de inteligência".

Um outro, José Reis, representante da Prótoiro - Federação Portuguesa das Associações Taurinas, classificou o debate como "do mais demagógico" a que tem assistido, porque não só "não há apoios públicos à tauromaquia", sustentou, como "as associações de animais vivem à custa da tauromaquia".

Por sua vez, o secretário-geral da Associação Nacional de Proprietários e Produtores de Caça (ANPC), João Carvalho, manifestou a sua preocupação com o facto de, a serem aprovados estes projetos, "atividades intimamente ligadas aos espaços rurais não poderem receber apoios públicos".

Catarina Martins respondeu-lhe no final: "Há atividades ligadas à tauromaquia, sejam agrícolas ou de preservação de certos ecossistemas, cuja importância nós reconhecemos e respeitamos - apenas queremos que o Estado deixe de financiar um espetáculo de violência sobre os animais".