Sociedade

Avião/Avaria: 200 passageiros de Cancún já chegaram a Lisboa mas ainda ficaram portugueses no México

Avião/Avaria: 200 passageiros de Cancún já chegaram a Lisboa mas ainda ficaram portugueses no México

Lisboa, 31 Ago (Lusa) - Um avião da operadora aérea Orbest aterrou hoje, às 07:47, no aeroporto de Lisboa proveniente de Cancún com cerca de 200 passageiros a bordo após uma escala em Barcelona, transportando parte dos turistas portugueses retidos desde sexta-feira no México.

Segundo fonte da ANA - Aeroportos de Portugal, um segundo aparelho, da operadora Iberworld, também proveniente de Cancún e com uma centena de passageiros deverá aterrar em Lisboa às 12:12, segundo as estimativas de voo.

Este avião, segundo disse à Lusa por telefone um dos turistas portugueses ainda retidos no México, é o mesmo que gerou o incidente, alegadamente por deficiência técnica, e dirige-se para Lisboa seguindo a linha da costa dos Estados Unidos, para cruzar o Oceano Atlântico à aproximação de Portugal.

Em Cancún permanecem cerca de três dezenas de passageiros portugueses que no sábado uma vez mais se recusaram a viajar para Lisboa no avião da discórdia.

Segundo um desses turistas, Nelson Pereira, a operadora aérea disponibilizou dois aparelhos, sendo um deles o inicial, aquele que está ainda a caminho de Lisboa e que na sexta-feira apresentava "um problema técnico" (piloto automático inactivo), segundo confirmou à Lusa um responsável da companhia, Miguel Carvalho Marques.

"Estamos fartos disto e a tentar regressar a Portugal por meios próprios, alguns dos que ficaram estão a apanhar voos para Lisboa via Nova Iorque", disse à Lusa Nelson Pereira, queixando-se da falta de ajuda do Consulado de Portugal, "que já foi contactado mas ainda nada fez".

PUB

Ao grupo que ficou em Cancún, que inclui várias crianças, foi proposto transporte para Lisboa no sábado à tarde no voo 9866 da Iberworld, mas subsistindo o problema técnico, resolveram "não correr riscos, e a prova é que o avião segue uma rota de cautela, mais demorada e que não é habitual", segundo Nelson Pereira.

"Eu quero é sair daqui com a minha mulher e os meus filhos, porque além de tudo tenho compromissos em Portugal. Mas não é fácil, por não haver voos directos para Portugal, vai ter que ser com escala nos Estados Unidos ou na Espanha", acrescentou.

Miguel Carvalho Marques, responsável pela companhia aérea Orbest, que efectua voos charter a partir de Lisboa para Punta Cana (República Dominicana), Cancún (México) e Montego Bay (Jamaica), garantira no sábado em declarações à Lusa que a situação estava "ultrapassada" e que todos os passageiros estariam em Lisboa às primeiras horas de hoje.

"Optámos por dividir os passageiros em dois voos. A chegada de duzentos dos 338 passageiros está prevista para as 05:00 de domingo. Os restantes deverão chegar mais ou menos à mesma hora, no voo 9866 da Iberworld", precisou o director-geral.

O responsável defendeu ainda que "em nenhum momento esteve em causa a segurança dos passageiros do voo Orbest 202 Cancún-Lisboa".

"O atraso deveu-se a um problema técnico que não impedia que o avião operasse em segurança, nomeadamente a uma avaria num fusível do piloto automático que impedia que o comandante e o co-piloto tivessem informação necessária relativa à potencia dos motores", explicou à Lusa Miguel Carvalho Marques.

"Isso não impedia o avião de voar, simplesmente tivemos que traçar uma nova rota e diminuir a tonelagem do avião na descolagem, como é estipulado pelas regras da aeronáutica internacional", referiu o responsável da Orbest.

Segundo Miguel Carvalho Marques, a diminuição do peso passava por duas alternativas: "ou se diminuía na carga ou então no número de passageiros, dividindo-os".

"Como não se conseguiu chegar a um consenso com os passageiros, o comandante decidiu não sair até ter uma solução que agradasse a todos", esclareceu.

Garantiu também que os operadores turísticos responsáveis pelas viagens asseguraram que "todo o acompanhamento possível fosse prestado aos passageiros, com vista a minimizar o incómodo causado pela situação", embora o português Nelson Pereira tenha dito hoje à Lusa que ele e outros passageiros estão hospedados em hotéis de Cancún pagando do próprio bolso.

JMS/SK.

Lusa/Fim

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG