Sociedade

Bombeiros profissionais esperam ter um novo estatuto até ao final do ano

Bombeiros profissionais esperam ter um novo estatuto até ao final do ano

O presidente da Associação Nacional dos Bombeiros Profissionais espera que até ao final do ano seja aprovado um novo estatuto que uniformize a carreira de bombeiros municipais e sapadores, equiparando esta profissão à das forças de segurança.

"Desejamos que até ao final do ano possamos ter efetivamente esta carreira igual em fardamentos, em progressão na carreira, em postos para que a resposta ao socorro e a ligação operacional que existe neste momento seja o mais eficaz possível", afirmou hoje Fernando Curto, após uma reunião com o secretário de Estado da Administração Local.

Fernando Curto explicou que já há um documento com o objetivo de uniformizar a carreira de bombeiro que foi elaborado no âmbito da secretaria de Estado da Administração Interna e apresentado às secretarias de Estado da Administração Local e da Administração Pública.

O mesmo documento tem ainda de ter o aval da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (ANMP), já que estes bombeiros são funcionários das câmaras municipais, mas bombeiros e autarquias só deverão discutir as alterações após as eleições autárquicas.

No documento "está o regime jurídico dos bombeiros profissionais, a uniformização dos bombeiros sapadores e municipais, a avaliação dos bombeiros, a questão dos seguros, a situação dos uniformes e toda a organização em termos operacionais".

"Nós queremos que os bombeiros portugueses, neste caso concreto da administração local, sapadores e municipais tenham uma carreira igual a outras forças de segurança. Ou seja, em termos de organização, em termos de estrutura e em termos de estatuto no sentido de termos uma estrutura igual em todo o país", salientou.

De acordo com o presidente da ANBP, a uniformização "vai originar mais operacionalidade, menos custos porque há menos carreiras, originar um fardamento diferente, uma organização operacional e aquisição de meios diferentes, uniformizando os fardamentos, que atualmente não existe".

A ANBP está a preparar uma avaliação e um relatório acerca do combate aos incêndios deste ano, que deverá ser apresentado no final de setembro.

Para já, Fernando Curto reafirma que a associação tem uma "visão muito crítica e muito muito grave do combate aos incêndios deste ano", em que "houve situações muito anómalas".

"Não podem continuar a morrer bombeiros nos últimos 10 anos para salvar meia dúzia de pinheiros. Não admitimos isto. É triste, é lamentável, não é justificável que tudo o que aconteceu este ano na morte dos bombeiros não se avalie e que não se tire conclusões destas mortes", afirmou, destacando que "tem de haver relatórios pormenorizados do que aconteceu em termos técnicos e em termos logísticos".

O responsável considerou ainda que é preciso rever a situação dos seguros dos bombeiros, que não são atualizados há cinco anos.

"Não há dinheiro que pague uma morte, mas efetivamente a avaliação que nós fixámos, em relação aos seguros, nunca menos de 200 mil euros, até ao máximo de 350 mil euros. Posso dizer que ainda há neste momento bombeiros e famílias de bombeiros que não foram ressarcidos de verbas de seguros de anos anteriores. Isto não pode acontecer, é uma situação que te de ser revista rapidamente", observou.