Sociedade

Fenprof diz que adesão ao segundo dia de greve às avaliações foi "quase total"

Fenprof diz que adesão ao segundo dia de greve às avaliações foi "quase total"

A Federação Nacional de Professores contabilizou, esta terça-feira, uma adesão quase total ao segundo dia de greve dos professores às avaliações, avançando números de pelo menos 97,5% de conselhos de turma não realizados nas escolas do país.

"Face a estes números, não é possível ao Governo manter a sua atitude intransigente, tentando impor umas impossíveis 40 horas de trabalho semanal, como a aplicação do regime de mobilidade especial a um setor que nos últimos dois anos sofreu uma fortíssima redução de profissionais, quer pela aposentação de cerca de 20.000 professores, quer pelo despedimento de outros tantos docentes contratados", declarou a Fenprof, em comunicado.

A estrutura sindical afirma ainda a determinação dos professores em "manter esta forte luta até que o Governo aceite negociar e resolver os problemas que está a criar" e relembra que, até à aprovação pela Assembleia da República da proposta de lei do Governo que confirma a mobilidade especial e o alargamento do horário de trabalho, é "tempo oportuno de lutar".

Os professores estão em greve ao serviço de avaliações desde 7 de junho e até dia 21 e param por completo a 17 de junho, primeiro dia de exames nacionais do ensino secundário.

Em causa está o objetivo do Governo de alterar as regras laborais na função pública, nomeadamente com a criação de um sistema de mobilidade especial e alargando o horário de trabalho.