O Jogo ao Vivo

Sociedade

Fenprof diz que "chumbos" não provam que estes professores sejam piores que outros

Fenprof diz que "chumbos" não provam que estes professores sejam piores que outros

O secretário-geral da Fenprof afirmou esta segunda-feira que as reprovações na avaliação dos professores não provam que esses docentes sejam "piores ou menos competentes" que os outros, e considerou o teste "uma completa inutilidade".

Esta prova "é de uma completa inutilidade, é tão inútil para avaliar a capacidade dos professores, como o atual ministro da Educação é inútil para a educação em Portugal", disse à agência Lusa Mário Nogueira, secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof).

"Não há nenhum professor, dos que reprovaram na prova, que tivesse ficado provado que era pior professor e menos competente que os que não reprovaram e o contrário também é verdade, porque esta prova não avalia nada", salientou o líder da Fenprof, e convidou os portugueses a que leiam o enunciado da prova.

O sindicalista comentava os resultados da prova de avaliação dos professores, realizada em dezembro passado, na qual reprovaram quase 35% dos 2.490 docentes inscritos, que entregaram um exame válido, enquanto 290, ou cerca de 11% do total, obtiveram a sua segunda reprovação.

Os dados foram divulgados esta segunda-feira pelo Instituto de Avaliação Educativa (IAVE) e constam de um relatório com os resultados obtidos na prova de avaliação de capacidades e conhecimentos (PACC), para a qual estavam inscritos 2.863 candidatos, mas da qual apenas foram validadas 2.490 provas.

Para Mário Nogueira, "aquilo que (o conjunto de resultados) vem confirmar é que esta prova é uma completa idiotice do ponto de vista do que se pode considerar qualquer regime de avaliação, designadamente de professores".

Questionado acerca do que lhe pareceu a percentagem de reprovações, de 35%, respondeu: "Pareceu-me absolutamente normal, porque é uma prova absolutamente idiota, que não tem nada a ver com a profissão".

PUB

No entanto, realçou, esta prova "cumpriu a função para o ministro da Educação, que foi conseguir que 35% dos professores, daqueles que fizeram esta prova, já nem sequer possam fazer a componente seguinte e, portanto, condenou esses professores ao desemprego" no próximo ano.

"Talvez isso só não aconteça, porque antes disso provavelmente vai este ministro embora", concluiu Mário Nogueira.

Outras Notícias