Sociedade

Governo não sabe quantos professores vão ficar de fora das colocações

Governo não sabe quantos professores vão ficar de fora das colocações

O ministro da Educação, Nuno Crato, afirmou esta terça-feira que não faz ideia de quantos professores contratados ficarão fora do ensino no próximo ano letivo, indicando como "fantasiosos" os receios de que sejam "dezenas de milhares".

Falando numa audição na Comissão Parlamentar de Educação, Ciência e Cultura, Nuno Crato afirmou que têm sido divulgados "números fantasiosos" sobre a não contratação de "dezenas de milhares" de docentes em setembro.

"Não sei responder. Preciso de saber os horários que vêm das escolas e o número de alunos que se matricula", indicou.

Questionado sobre a ignorância destes números, a dias de as escolas terem de começar a pensar na organização do ano escolar, pela deputada bloquista Ana Drago, o ministro afirmou que "há uma redução do número de alunos em escolarização, modificações geográficas e outros fatores que tornam altamente difícil" prevê-los.

Quanto aos professores do quadro que serão postos em mobilidade especial por falta de horários, Nuno Crato afirmou que o objetivo do governo é que "nenhum" fique nessa situação.

Ana Drago instou o ministro a "não dizer que não sabe, porque não é verdade e ninguém acredita".

"Tenha a dignidade de o dizer. Não brinque com a vida dos professores perto do momento em que as escolas organizam o próximo ano letivo", apelou, afirmando que, com medidas como o aumento do número de alunos por turma e a revisão curricular, se prepara "o maior despedimento coletivo da História".

Miguel Tiago, do PCP, criticou o governo por já ter enviado para as escolas as matrizes curriculares baseadas numa revisão curricular que "ainda não foi aprovada", pedindo no fundo às escolas que "não cumpram a lei", na organização do próximo ano letivo.

Nuno Crato afirmou que, nesta ou na próxima semana, estarão prontos os despachos da revisão curricular e de organização do próximo ano letivo, "perfeitamente a tempo" de as escolas o usarem.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG