Sociedade

Fenprof diz que vagas a concurso são insuficientes

Fenprof diz que vagas a concurso são insuficientes

A Federação Nacional de Professores reiterou, esta terça-feira, que são insuficientes as quase 2.000 vagas que o Ministério da Educação vai abrir no âmbito da vinculação extraordinária de docentes para resolver a precariedade no setor.

A federação considera que o ministério deveria integrar nos quadros todos os professores que tenham completado três anos de serviço para cumprir a lei geral e a diretiva comunitária nesse sentido (1999/70/CE, de 28 de junho), que obriga os estados membros da União Europeia a tomar medidas para evitar "o abuso e a discriminação" dos trabalhadores contratados a termo.

"Hoje saiu o aviso de abertura referente a esse concurso, ao de mobilidade interna, contratação inicial e reserva de recrutamento", afirma a Fenprof, depois de na segunda-feira ter sido publicado o despacho que contempla 1.954 vagas para os Quadros de Zona Pedagógica (QZP).

Em comunicado, a estrutura sindical insiste que a realização daquele concurso externo extraordinário está "muito longe de resolver a vasta precariedade laboral, fomentada durante muitos anos, por opção ideológica e por razões economicistas de sucessivos governos".

De acordo com a Fenprof, nos últimos anos aposentaram-se mais de 25.000 docentes", dos quais 6.000 ao longo do presente ano letivo.

A Fenprof defende que o ministério deveria, neste momento e não apenas em 2015,lançar um concurso global intercalar com todas as suas fases (interna e externa).

As quase duas mil vagas destinam-se a educadores de infância e professores dos ensinos básico e secundário.

Os grupos de recrutamento que vão ter mais vagas a concurso serão as de disciplinas essenciais como Português, Matemática, Física e Química, Biologia e Geologia e Ciências da Natureza.