Sociedade

Nuno Crato pede desculpa ao país por erro na fórmula de colocação de professores

Nuno Crato pede desculpa ao país por erro na fórmula de colocação de professores

O ministro da Educação pediu, esta quinta-feira, desculpa aos professores, pais, deputados e ao país pelo erro na fórmula de cálculo das listas da Bolsa de Contratação de Escola, que assumiu, atribuindo-o exclusivamente aos serviços do Ministério.

"Apresentamos as nossas desculpas aos senhores professores, aos pais, ao país, aos senhores deputados. Repetimos, não há erros por parte dos diretores, por parte das escolas, há erros por parte dos serviços do Ministério", declarou Nuno Crato.

O ministro, que falava na Assembleia da República num debate de atualidade agendado pelo PSD a propósito do arranque do ano letivo, protagonizou no parlamento, um momento que considerou histórico, ao assumir um erro, com "implicações jurídicas".

"Senhores deputados, isto é muito sério, isto não é uma questão para rirmos. Estão a assistir a uma coisa que não é comum na História, que é um ministro chegar ao parlamento e reconhecer a responsabilidade por uma não compatibilidade de escalas, e um ministro assumir que o assunto vai ser corrigido", disse.

O erro, explicou o ministro, "é um aspeto não apenas matemático ou aritmético, mas que tem implicações jurídicas, e que precisa de ser visto não só de um ponto de vista quantitativo e lógico, mas também à luz da legislação existente".

Em causa está um erro na "harmonização de escalas" na fórmula matemática usada para calcular a classificação dos professores nas listas de colocação nas escolas no concurso que ainda decorre, a Bolsa de Contratação de Escola (BCE), criado este ano para dar resposta às necessidades das escolas com contrato de autonomia e escolas TEIP (Territórios Educativos de Intervenção Prioritária).

Imobusiness