Lisboa

Professores contratados e desempregados protestam em Lisboa na quinta-feira

Professores contratados e desempregados protestam em Lisboa na quinta-feira

O movimento de professores contratados e desempregados promove na quinta-feira um protesto em Lisboa contra medidas como a revisão curricular ou os mega-agrupamentos, que consideram ameaçar dezenas de milhares de docentes com o desemprego.

Belandina Vaz, professora da organização do "Protesto dos Professores Contratados e Desempregados", constituído o ano passado e divulgado na Internet através do Facebook e outras redes sociais, afirmou à Agência Lusa que se prepara uma "machadada ainda maior" que nos outros anos na escola pública.

Medidas como a revisão curricular, através da qual o Governo pretende poupar "102 milhões de euros" e que consistiu na extinção e fins de desdobramentos de disciplinas nos currículos do ensino básico e secundário, visam "eliminar horários".

Juntamente com os "mega-agrupamentos", referentes às agregações de escolas, é um conjunto de medidas que fazem recear "25 mil professores no desemprego" no próximo ano letivo.

Belandina Vaz afirmou que os professores estão também contra os contratos a termo certo mensais, que significam que os professores são postos no desemprego logo a seguir a acabarem as reuniões de fim de ano letivo.

Por estas razões, esperam que na quinta-feira se desloquem até ao Largo Camões, pelas 18 horas, todos os que queiram "resistir ao ataque da troika e do corte orçamental".

Além de um microfone aberto para quem queira expor os seus argumentos, o protesto contará com algumas iniciativas de animação de rua, destacou Belandina Vaz.

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego em maio subiu 20,8% face ao mesmo mês do ano passado, mas diminuiu 2,2% em relação a abril deste ano, segundo os dados do IEFP.

De acordo com a Informação Mensal do Mercado de Emprego, disponibilizada pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), no final do mês passado encontravam-se inscritos 641.222 desempregados, representando 81,7% de um total de 785.260 pedidos de emprego.

Segundo os dados do IEFP, "em relação ao mês anterior, é de salientar o aumento percentual do desemprego no grupo profissional correspondente aos docentes do ensino secundário, superior e profissões similares, com +130,9%", sendo que apenas os 'quadros superiores da administração pública', um grupo pouco expressivo no total do desemprego, sofreram um decréscimo anual do número de desempregados (-42,1%).