Sociedade

Reitor da UPorto avisa que excessos em praxes são "intoleráveis" no novo ano letivo

Reitor da UPorto avisa que excessos em praxes são "intoleráveis" no novo ano letivo

O reitor da Universidade do Porto, Sebastião Feyo de Azevedo, disse, esta quinta-feira, em discurso de boas-vindas aos alunos do ano letivo de 2014-2015, que "excessos de qualquer ordem" decorrentes de praxes académicas serão "pura e simplesmente intoleráveis".

"Não pretendo, de forma alguma, atingir quaisquer iniciativas que visem promover a integração dos nossos estudantes, pelo contrário, quero apoiá-las", ressalvou Feyo de Azevedo, reiterando que quaisquer "excessos físicos ou psicológicos, práticas de obediência e discriminação, perturbação da atividade escolar e outros abusos" serão punidos de acordo com a legislação.

"Quero recordar que nenhum estudante pode ser obrigado a participar em qualquer ato da praxe académica contra a sua vontade", declarou o reitor da Universidade do Porto, perante cerca de três mil estudantes e pais, na cerimónia de boas-vindas organizada no Pavilhão Rosa Mota, a que compareceu o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira.

Sebastião Feyo de Azevedo considerou "lamentáveis os excessos que se têm vindo a observar em praxes académicas", frisando que lutará por "uma integração dos estudantes sem qualquer tipo de abuso".

Uma das prioridades da reitoria para o ano letivo de 2014-2015 será também "alargar e qualificar a dimensão social de apoio aos estudantes", no sentido de proceder a "uma reestruturação dos serviços de ação social".

"Independentemente de me parecer que, já hoje, a nossa comunidade estudantil beneficia de uma sólida estrutura de apoio social, queremos proporcionar melhores condições de apoio em todas as áreas: alimentação, habitação, estudo, saúde e convívio", declarou Sebastião Feyo de Azevedo.

Nesta cerimónia de boas-vindas aos cerca de quatro mil novos alunos da Universidade do Porto, foi também salientada a taxa de preenchimento de vagas da instituição, a mais alta do país, na ordem dos 96%, assim como o facto de ter sido a preferida pelos candidatos ao Ensino Superior.

Em discurso de boas-vindas, Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto, considerou que estes dados fazem da Universidade do Porto a "instituição mais importante da cidade".