Sociedade

Jerónimo acusa Passos de ameaçar professores

Jerónimo acusa Passos de ameaçar professores

O secretário-geral do PCP considerou este sábado que as palavras do primeiro-ministro sobre a possibilidade de o Governo tomar "outra medida" para assegurar a normal realização dos exames nacionais "contêm, naturalmente, um sentido de ameaça".

Ainda quanto à greve dos professores, Jerónimo de Sousa apontou como "uma hipocrisia tremenda" o facto de Pedro Passos Coelho invocar o prejuízo dos alunos.

O secretário-geral do PCP assumiu estas posições em declarações aos jornalistas, no final da cerimónia de inauguração da Avenida Álvaro Cunhal, na freguesia do Lumiar, em Lisboa.

Na sexta-feira, o chefe do executivo PSD/CDS-PP disse esperar que a comissão arbitral fixe os serviços mínimos para a greve dos professores assegurando a normal realização dos exames nacionais do ensino secundário e que não seja necessário o Governo adotar "outra medida", que não especificou.

No entender de Jerónimo de Sousa, estas palavras "contêm, naturalmente, um sentido de ameaça".

Por outro lado, Pedro Passos Coelho sugeriu aos professores que canalizem o seu protesto para a greve geral marcada para dia 27 deste mês, e "não para uma greve que tenderá a penalizar sobretudo os estudantes e as suas famílias".

Segundo o secretário-geral do PCP, "exercitar o prejuízo dos alunos é, de facto, de uma hipocrisia tremenda".

Jerónimo de Sousa referiu que o Governo "tem encerrado escolas, tem aumentado as propinas, tem elevado os custos da educação para níveis incomportáveis".

"É preciso ter muita hipocrisia para vir afirmar que são os professores que estão a prejudicar os alunos. Não, quem está a prejudicar os alunos, os nossos jovens é este Governo, com esta política", reforçou.

De acordo com o secretário-geral do PCP, "o senhor primeiro-ministro gostaria que os professores fizessem greve quando já não existisse ano letivo, que não fizessem greve no momento em que estão a ser aprovadas medidas brutais contra as suas carreiras, contra o seu futuro".