Sociedade

Mega-agrupamentos em Castelo Branco prejudicam uma centena de docentes

Mega-agrupamentos em Castelo Branco prejudicam uma centena de docentes

O secretário-geral da Federação Nacional de Professores (Fenprof), Mário Nogueira, considerou, esta quarta-feira, que só no distrito de Castelo Branco cerca de "uma centena de professores" poderão ficar sem horário devido à criação dos três mega-agrupamentos de escolas anunciados pelo Governo.

Mário Nogueira falava à agência Lusa, hoje de manhã, momentos antes de se reunir com os professores do Agrupamento de Escolas Cidade Castelo Branco e da Escola Secundária Nuno Álvares, na capital de distrito.

O secretário-geral da Fenprof anunciou que "no distrito de Castelo Branco a criação dos mega-agrupamentos pode ser arrasadora, do ponto de vista do emprego".

"Estamos a falar em cerca de uma centena de lugares para professores que desaparecem. A intenção do Ministério da Educação e deste Governo é por na rua as pessoas", acusou Mário Nogueira.

O dirigente sindical considerou ainda "um escândalo, do ponto de vista pedagógico e organizacional das escolas", a criação das novas estruturas.

Mário Nogueira recordou que o próprio Conselho Nacional de Educação "publicou uma recomendação, na qual refere que os mega-agrupamentos não só trouxeram problemas novos para as escolas, como agravaram os que já existiam".

No entender de Mário Nogueira, a criação dos mega-agrupamentos no distrito de Castelo Branco é um processo que ainda pode ser alterado.

PUB

"Este é o exemplo do que não deve ser feito e que o PSD e o CDS quando eram oposição criticaram", disse.

Mário Nogueira considerou que "a criação destas estruturas no distrito de Castelo Branco foi feito contra a opinião das comunidades educativas, pais, famílias e municípios".

No distrito foram criados pela tutela três novas unidades orgânicas: Agrupamento Nuno Álvares, em Castelo Branco (agrega os agrupamentos Cidade de Castelo Branco e Faria Vasconcelos com a Secundária Nuno Álvares -- 2.627 alunos), Agrupamento Amato Lusitano, também na capital de distrito, (reúne o Agrupamento de Escolas João Roiz com a Secundária Amato Lusitano - cerca de 1.800 alunos) e, na Covilhã, uma estrutura que agrega os agrupamentos Escolas Paúl e Entre Ribeiras, Escolas do Tortosendo e a Secundária Frei Heitor Pinto, num total de 1.600 alunos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG