O Jogo ao Vivo

Sociedade

Portugueses desenvolvem técnica para evitar fertilizantes

Portugueses desenvolvem técnica para evitar fertilizantes

Um grupo de estudantes da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto vai à Macedónia, no âmbito de uma competição, apresentar um projeto que permite que plantas cresçam sem fertilizantes.

Em declarações à agência Lusa, Mariana Osswald, da equipa de finalistas de bioengenharia, relatou que o projeto consiste na alteração de plantas, nomeadamente para fins agrícolas, para que captem o azoto, sem utilizarem fertilizantes.

"O conceito consiste numa tecnologia de interesse agrícola de não usar fertilizantes de azoto no crescimento das plantas", explicou a investigadora, referindo que estes produtos representam um "grande gasto" para os agricultores.

Além do proveito ecológico, há ganhos financeiros e uma maior produtividade e a inovação pode acelerar o tempo de maturação, acrescentou.

Mariana Osswald precisou que, para crescer, as plantas precisam de azoto e não é comum o solo ter quantidade suficiente deste elemento para dispensar fertilizantes.

Os investigadores pretendem alterar as plantas para que sejam autossuficientes e obter do ambiente o azoto necessário para crescerem.

A planta escolhida para o projeto, iniciado em setembro, foi a canola, utilizada em áreas diferentes, desde a produção de biodiesel à indústria alimentar.

PUB

A equipa ainda não patenteou a tecnologia e não teve qualquer contacto de interessados em Portugal, mas admite a possibilidade de criação de uma empresa para comercializar o projeto.

"O plano, em princípio, era criarmos uma empresa com um laboratório para desenvolver a planta, que podia ser comercializada", explicou Mariana Osswald à Lusa.

Entre 3 a 6 de julho, os estudantes portugueses vão estar a defender o seu projeto na Macedónia e Mariana Osswald garantiu que já está ganha a experiência e o trabalho feito.

O projeto foi batizado como N2Fix: "O N2 é a fórmula química do azoto e o '2Fix' (para fixar) refere-se à fixação do azoto", refere outro investigador, André Meireles, citado numa informação divulgada pela Universidade do Porto.

A equipa que segue para a competição europeia, no âmbito do Junior Achievement, na Macedónia, inclui André Meireles, José Nuno Leitão, Paulina Carvalho, Mariana Osswald, Maria João Gomes e Sofia Santos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG