Touradas

Federação acusa movimento anti touradas de "fraude informática"

Federação acusa movimento anti touradas de "fraude informática"

A Federação Prótoiro considerou "desprestigiante" para a "verdadeira cidadania" o primeiro-ministro receber, em audiência, um movimento anti touradas, acusando este grupo de ter promovido uma "fraude informática" para ser ouvido por Pedro Passos Coelho.

Num comunicado enviado à Agência Lusa, a Prótoiro - Federação Portuguesa das Associações Taurinas acusa o Movimento Pela Abolição das Corridas de Touros de ter conquistado uma vitória que resulta de uma fraude, uma vez que "não foram acautelados o rigor e a verdade na votação".

O primeiro-ministro recebeu, esta terça-feira, o Movimento Pela Abolição das Corridas de Touros 'Movimento do Sérgio', que ganhou a iniciativa 'O meu movimento', com a qual o governo desafiou os portugueses a defenderem causas e a apresentá-las.

"O método de votação não exigia nenhuma autenticação para verificar se se tratava de cidadãos capazes e/ou de pessoas reais, pois era possível qualquer pessoa no mundo fazer um registo e votação", refere a Prótoiro.

De acordo com a federação que defende a tauromaquia em Portugal, "era possível a uma só pessoa criar diversos e-mails e fazer múltiplos registos e múltiplas votações". "Fizemos um teste e conseguimos criar e votar com 30 e-mails diferentes", alega.

Para a Prótoiro, este tipo de "falhas destroem imediatamente a verdade e credibilidade dos resultados, abrindo espaço para fraudes de todo o tipo".

Por isso, acreditam, que "é estimado que mais de metade dos votos deste movimento seja fraudulenta".

Além da criação de "votantes falsos", a Prótoiro adianta que este escrutínio foi divulgado pelo movimento vencedor junto de grupos antitaurinos em diversos países, apelando ao voto, tendo dessa forma "falseado os resultados".

No comunicado, a Prótoiro acusa o 'Movimento do Sérgio' de ter difundido a "ideia falsa" de que se decide o futuro das touradas neste encontro com o primeiro-ministro.

"Trata-se de uma mera manobra de propaganda infundada, que pretende iludir os portugueses, atentando contra a cultura e liberdade de todos, ao pretender abolir as touradas", lê-se no comunicado.

A federação destaca dados relativos a 2011, segundo os quais, assegura, mais de 650 mil pessoas frequentaram as praças de toiros de Norte a Sul do país, estimando-se em mais de 3 milhões o número de pessoas envolvidas na festa brava, se forem adicionados os festejos taurinos de rua.

Por tudo isto, a Prótoiro exige a verificação dos votos para "validação real" da votação.

Confrontado com estas acusações da Prótoiro o promotor do Movimento Pela Abolição das Corridas de Touros, Sérgio Caetano, referiu que todo o processo de votação decorreu de forma legal e democrática, sem qualquer "fraude democrática".

"Se eles [Prótoiro] dizem que uma só pessoa podia criar vários e-mails e fazer vários registos e votações e que sabem porque experimentaram então é porque fizeram batota. O que me parece é que a Prótoiro não gostou foi de que o seu movimento ficasse classificado em oitavo lugar", afirmou.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG