Sociedade

Funcionário de hotel rejeita que morte de português tenha sido caso de 'balconing'

Funcionário de hotel rejeita que morte de português tenha sido caso de 'balconing'

Um funcionário do complexo de apartamentos em Lloret de Mar onde, este domingo, morreu um jovem português de 17 anos, residente em Castro Verde, garantiu que não se tratou de um caso de 'balconing'.

O funcionário explicou que neste caso do jovem, que caiu de uma janela do 5º andar, não poderia estar em causa a prática conhecida de pessoas que se lançam de varandas e janelas para as piscinas dos hotéis ou que tentam passar, pela parte exterior, de uma varanda para a outra.

"Não foi nada disso. Ouvi vários dos seus colegas e as informações que aqui estavam a ser dadas às autoridades. Foi outra situação. Aliás, o quarto dá para uma rua estreita, não para qualquer piscina", comentou.

O mesmo funcionário explicou que o acidente ocorreu "entre as 19.30 e as 20 horas" hora local, menos uma hora em Portugal Continental, deixando os colegas do jovem, alunos do 12º ano da Escola Secundária de Castro Verde "muito transtornados".

"Eles estavam em estado de choque. Como estavam também muitos dos outros jovens que aqui estão hospedados", explicou.

"Eu também tenho filhos destas idades e isto custa muito", sublinhou, afirmando que, "infelizmente" este tipo de acidentes "é mau para os jovens mas também para Lloret de Mar", localidade onde ocorrem anualmente milhares de jovens portugueses.

O jovem viajou para Lloret de Mar acompanhado de 20 colegas, segundo adiantou à Lusa o diretor da Escola Secundária de Castro Verde, Augusto Candeias.

O docente referiu que o jovem estudante do 12.º ano partiu na sexta-feira ao final do dia para a viagem de finalistas do ensino secundário, que teve como destino aquela localidade espanhola, com cerca de 20 colegas da mesma escola.

Augusto Candeias adiantou que a escola não esteve envolvida na organização da viagem e que os alunos não foram acompanhados por professores.

"Estamos a fazer tudo o que está ao nosso alcance para garantir que os alunos têm o máximo apoio possível", referiu o diretor da secundária de Castro Verde, adiantando que a escola está a tentar contactar "um a um" os encarregados de educação dos alunos que estão em Lloret de Mar.

O funcionário do empreendimento turístico explicou, ainda, à Lusa que os colegas da vítima foram já transferidos para outra unidade de quatro estrelas do mesmo grupo hoteleiro e que se prevê que regressem a Portugal já na segunda-feira.

No local, estiveram efetivos dos Mossos d'Esquadra, a polícia autonómica da Catalunha e responsáveis de Medicina Legal da localidade, tendo vários jovens sido ouvidos pela polícia, tanto no hotel como na esquadra mais próxima.

Oficialmente a polícia ainda não revelou mais pormenores sobre a investigação, tendo fontes policiais ouvidas pela Lusa afirmado que as investigações iniciais sugeriam que a morte do jovem se teria devido a uma queda acidental.

O caso está a ser acompanhado pelas autoridades consulares portuguesas na região da Catalunha.