infidelidade

Infidelidade: A culpa também é das hormonas

Infidelidade: A culpa também é das hormonas

A infidelidade tem razões químicas. Não sendo a única causa para o adultério, certas substâncias que o organismo produz estão associadas a comportamentos infiéis. A culpa é da testosterona, mas não só.

"Homens com menor tendência para o casamento, ou com maior tendência para o adultério, ou ainda com maior propensão para o divórcio, demonstram frequentemente um nível médio e alto de testosterona", escreve Madalena Pinto, no seu livro "Química do Amor e do Sexo".

Em entrevista à Agência Lusa, esta professora de Química Orgânica e Química Farmacêutica e Medicinal na Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto explicou que a obra, editada pela Lidel, teve como principal objectivo "aproximar a química de aspectos e de situações do dia-a-dia".

Segundo a autora, são muitas as situações e, principalmente, os comportamentos que têm uma justificação química, existindo muita "culpa no cartório" das hormonas e de neuroquímicos em algumas condutas.

Com este livro, Madalena Pinto espera contribuir com um instrumento de interpretação de alguns comportamentos.

"Existem componentes - como as hormonas e os neuroquímicos - que justificam, por exemplo, que após o sexo o homem queira dormir e a mulher prefira ser mimada", disse.

Essa opção pelo sono após o sexo, que a mulher pode interpretar como uma forma de rejeição, não é, afinal, mais do que "um efeito de algumas substâncias químicas cerebrais", explicou.

"A culpa é da química", assegura Madalena Pinto, que investigou a forma como o organismo humano produz moléculas e como estas estão associadas a fenómenos emocionais ou a comportamentos sócio-emocionais.

A investigadora faz, contudo, uma ressalva: "Esses comportamentos não têm apenas uma justificação química, esta é uma entre várias".

No caso da infidelidade, "há, na verdade, uma série de factores - genéticos, psicológicos, ambientais ou educacionais - pois, caso contrário, tudo seria muito fácil de resolver".

Se assim fosse, os comportamentos e sentimentos poderiam ser "produzidos" em laboratório, o que, para Madalena Pinto, "está longe de acontecer".

"Não perspectivo isso. Seria muito fácil se fosse meramente um aspecto químico, mas não é", disse.

Cientificamente provado está o efeito da química cerebral no amor e no sexo.

"Há uma química cerebral, que tem várias substâncias químicas que jogam entre si, que tem a ver com certos tipos de fenómenos, como estar apaixonado e não ver mais nada além do ser amado", explicou.

Apesar desta equação já ter sido revelada, Madalena Pinto considera praticamente impossível que alguma vez se consiga criar um comprimido para o enamoramento.

"Não acredito que se possa criar uma pílula que a pessoa tome e que, olhando para outro, se enamore dela", avançou.

"Não devemos ser tentados a reproduzir os sentimentos ligados ao amor numa base de química de laboratório, mas que no amor há química, lá isso há"", escreve Madalena Pinto no livro "Química do Amor e do Sexo".

A autora deixa ainda um conselho: "talvez fosse útil aos conselheiros matrimoniais fazerem um curso de química orgânica... quem sabe?".