encíclica

Bento XVI propõe nova ordem mundial

Bento XVI propõe nova ordem mundial

Na encíclica "Caritas in veritate" (A caridade na verdade), Bento XVI defende uma nova ordem política e financeira a nível mundial. Mas a carta destina-se a "promover o desenvolvimento humano integral" e não apenas responder à crise.

Face à crise internacional o Papa reclama a instauração de uma "autoridade" para a globalização que poderia ser confiada à Organização das Nações Unidas - que para isso teria de ser "reformada", defende Bento XVI.

Publicada na véspera da reunião em Áquila, Itália, do G-8 (Grupo dos oito países mais industrializados), a encíclica "A Caridade na Verdade", a terceira do pontificado de Bento XVI, considerou a actual crise económica e financeira como uma "ocasião de discernimento e elaboração de nova planificação", defendendo a reavaliação do papel e poder do Estado na economia e apelando a uma "ética amiga da pessoa".

Denunciando o lucro a todo o custo, mas sublinhando que em si o lucro "é útil, se for um meio para atingir um fim", Bento XVI sublinhou que "não é suficiente progredir do ponto de vista económico e tecnológico", pois é necessário que o desenvolvimento seja "verdadeiro e integral", assinalando que em termos absolutos a riqueza mundial cresceu, "mas aumentam as desigualdades".

Por isso, o Papa Bento XVI defendeu para a economia uma ética "amiga da pessoa", que não esqueça a "dignidade inviolável da pessoa humana e também o valor transcendente das normas morais naturais".

"Uma ética económica que prescinda destes dois pilares arrisca-se inevitavelmente a perder o seu cunho específico e a prestar-se a instrumentalizações; mais concretamente, arrisca-se a aparecer em função dos sistemas económico-financeiros existentes, em vez de servir de correcção às disfunções dos mesmos", alertou.

Bento XVI rejeitou a ideia de que a globalização seja má, mas acentuou que "é preciso corrigir as suas disfunções, tantas vezes graves, que introduzem novas divisões entre os povos e no interior dos mesmos".

Num balanço da actividade económica e social global, defendeu que a ajuda mundial seja canalizada para auxiliar os países pobres a eliminar a fome, advogou a redução do consumo de energia nos países mais industrializados e uma utilização mais racional e eficaz dos recursos naturais.

Na sua primeira encíclica social, o Papa retoma a doutrina social da Igreja que teve o seu documento fundamental na "Populorum Progressio" de Paulo VI (1967), sublinhando que a caridade deve ser orientada pelos critérios da justiça e do bem. "Querer o bem comum e trabalhar por ele é exigência de justiça e caridade".

ver mais vídeos