Portugal

Caso Alexandra não deve ser analisado do ponto de vista patriótico

Caso Alexandra não deve ser analisado do ponto de vista patriótico

Nikolai Svanidzé, um dos mais conhecidos membros da Câmara Social junto do Presidente da Rússia, considera que, no "caso Alexandra", os interesses da criança devem ser postos acima do "ponto de vista estatal-patriótico".

"'Vencemos Portugal, a criança irá ser educada no nosso país'. Considero que aqui não se deve pensar em que país deverá ser educada a menina, mas pensar nela. E se lá os pais eram normais e aqui as condições forem realmente horríveis e a mãe for alcoólica... Se esta for tão desequilibrada e tão terrível no tratamento com a criança ao ponto de ser necessário privá-la dos direitos maternais, então isso deve ser feito e a menina deve ser entregue aos pais portugueses", considera Svanidzé, em declarações à rádio Eco de Moscovo e à Agência Lusa.

Este conhecido jornalista e historiador russo critica a posição daqueles que defendem que Alexandra deve viver na Rússia, mesmo que em condições difíceis.

"Não conheço os detalhes do processo, não sei com que idade ela (Alexandra) se viu em Portugal. Aqui, dentro de algum tempo, ela esquecerá o português e começará a falar russo. Isto é, se se puder chamar russo à língua com que a mãe irá falar com ela, a menina irá falar russo. Neste caso, a língua é secundária... O importante consiste no modo de vida que ela terá e o que lhe vai ser dito em russo", acrescenta.

Nikolai Svanidzé afirma que a Câmara Social, órgão consultivo junto de Dmitri Medvedev para Direitos Humanos e Questões Sociais, irá acompanhar o caso, mas não exclui a possibilidade de isso ser insuficiente.

"Pensa que as pessoas, toda a nossa respeitada Câmara Social, da qual sou membro, irão constantemente à terra onde vive a criança para verificar em que condições ela vive?.. Foram desvendados muitos crimes que tiveram grande ressonância no nosso país e que estiveram sobre o controlo dos mais altos dirigentes do Estado?", interroga Svanidzé.

"O mesmo se passa neste caso. Se a mãe for tão terrível como se escreve, o destino da criança também será terrível", frisou.

"Penso que temos forças e braços compridos, incluindo da Câmara Social, para acompanhar este caso. Mas se não se conseguir privar a mãe dos direitos maternais e ela continuar a humilhar a criança... pobre criança", acrescentou.

Nikolai Svanidzé reconhece que o problema da adopção na Rússia é um "problema terrível".

"Todos nós falamos dos americanos que maltratam as nossas crianças por eles adoptadas. Se se comparar a percentagem de maus tratos em relação às nossas crianças nas famílias americanas e a percentagem de maus tratos e de mortes de crianças nas nossas famílias biológicas, para já não falar das famílias de acolhimento, a percentagem, falando suavemente, não nos é favorável", sublinhou.

"Trata-se de um problema ético, moral. A situação das crianças é pesadíssima, temos um baixo nível de responsabilidade paternal. Semelhantes situações são analisadas, no nosso país, do ponto de vista estatal-patriótico", lamentou.

A menina Alexandra, de seis anos e filha de uma imigrante russa, estava à guarda de uma família de Barcelos, em Portugal, há quatro anos, mas uma decisão do Tribunal da Relação de Guimarães, confirmada pelo Supremo Tribunal de Justiça, determinou que fosse devolvida à família biológica, apesar dos problemas de alcoolismo que os técnicos referenciaram na mãe. O pai, um imigrante ucraniano, vive em Espanha.

A criança, que fala apenas português, passou a viver recentemente com a mãe e a avó numa cidade russa, a 350 quilómetros de Moscovo.

ver mais vídeos