Sociedade

Crise e emigração aumentam raptos parentais

Crise e emigração aumentam raptos parentais

A nova vaga de emigração fez aumentar os casos de rapto parental. Casais separam-se na procura de melhores vidas e no meio ficam os filhos, arrastados de um país para outro, enquanto a justiça traça o seu destino.

São casos complexos por envolverem várias entidades nacionais e estrangeiras. Os processos são demorados e por vezes caros. No meio, há sempre crianças a sofrer.

Ricardo Simões, presidente da Associação para a Igualdade Parental e Direitos dos Filhos, disse, ao JN, que nos últimos dois anos nota-se um aumento dos "raptos parentais", designadamente no número de pedidos de ajuda que chegam à associação. "É o resultado das deteriorações das condições económicas. Pode--se dizer que o desemprego veio aumentar o número de casos de subtração de menores para o estrangeiro, envolvendo casais separados".

Ler mais na versão e-paper ou na edição impressa