Sociedade

D. Albino Cleto morreu este sábado em Coimbra

D. Albino Cleto morreu este sábado em Coimbra

O antigo bispo de Coimbra D. Albino Cleto morreu, este sábado, nos Hospitais da Universidade de Coimbra, onde "ainda entrou pelo próprio pé".

O padre António Jesus Ramos, diretor do jornal da Diocese, Correio de Coimbra, afirmou que D. Albino Mamede Cleto, de 77 anos, "ainda entrou pelo próprio pé" na urgência dos HUC, onde faleceu durante a última noite.

"Ele já se encontrava um pouco doente, desde que regressou recentemente dos Estados Unidos", onde esteve algum tempo, acrescentou Jesus Ramos.

Natural de Manteigas, Albino Cleto foi bispo auxiliar de Lisboa, de onde transitou, nos anos 90, para Coimbra, onde começou por exercer funções de bispo coadjutor, sucedendo depois a D. João Alves no cargo principal da hierarquia da Igreja Católica na Diocese local.

Há cerca de um ano, D. Albino Cleto terminou o mandato episcopal, sendo substituído por D. Virgílio Antunes.

A título pessoal, Guilherme d' Oliveira Martins, presidente do Tribunal de Contas, referiu, numa nota enviada à agência Lusa, que a "morte inesperada de D. Albino Mamede Cleto é uma perda significativa para a Igreja portuguesa".

"A sua experiência e o seu exemplo são assinaláveis e merecem a nossa sentida homenagem. Era um homem de serviço, de horizontes abertos e fiel ao espírito do Concílio Vaticano II. No exercício de funções episcopais teve um papal assinalável. A sua inteligência, humanismo e cultura ficam na memória de todos. Recordo-o desde os anos sessenta aqui em Lisboa, e há dias tive dele a disponibilidade para partilhar no Centro de Reflexão Cristã a sua reflexão e a sua experiência".

Guilherme d'Oliveira Martins recorda que conheceu D. Albino Mamede Cleto nos anos 60/70 quando este era pároco e no âmbito do Centro Nacional de Cultura e do Centro de Reflexão Cristã, em que colaborou no âmbito das atividades culturais.

ver mais vídeos