Sociedade

Ecologistas portugueses na manifestação contra central de Alamaraz

Ecologistas portugueses na manifestação contra central de Alamaraz

Ecologistas portugueses, incluindo da Quercus, participam, este sábado, em Cáceres (Espanha), numa manifestação "antinuclear" para exigir o encerramento da central nuclear de Almaraz, numa iniciativa promovida por várias associações ambientalistas espanholas.

A manifestação, em que também participam elementos do Partido Ecologista Os Verdes, começa cerca das 11 horas (hora de Portugal) na Plaza Nueva, seguindo, depois, para a central nuclear de Almaraz, num percurso com cerca de uma hora e meia.

A Quercus justifica a sua participação no protesto com o argumento de que a central nuclear "tem tido incidentes com regularidade", situação que constitui, para os ambientalistas, um conjunto riscos para Portugal.

A central nuclear de Almaraz, a funcionar desde o início dos anos 80 do século XX, está situada junto ao Rio Tejo, fazendo fronteira com os distritos portugueses de Castelo Branco e Portalegre.

"Portugal pode vir a ser afectado, caso ocorra um acidente grave, quer por contaminação das águas, uma vez que a central se situa numa albufeira afluente do rio Tejo, quer por contaminação atmosférica, pela grande proximidade geográfica existente", diz a Quercus.

"Além disto, Portugal não revela estar minimamente preparado para lidar com um cenário deste tipo, pelo que a acontecer um acidente grave, isso traria certamente sérios impactos imediatos para toda a zona fronteiriça, em especial para os distritos de Castelo Branco e Portalegre", sublinham os ecologistas.

De acordo com os ambientalistas, naquela central nuclear têm existido situações em que "já foram medidos níveis de radioactividade superiores ao permitido" e, nesse sentido, reivindicam junto do Governo espanhol o seu encerramento.

As autoridades espanholas tinham previsto o encerramento da central nuclear de Almaraz em Junho do ano passado, mas o Governo espanhol prolongou o prazo de funcionamento da por mais 10 anos (até Junho de 2020).

A manifestação em Almaraz conta com a participação da Plataforma Antinuclear Cerrar Almaraz, Plataforma Refinería No, Plataforma Cementerio Nuclear No, Ecologistas en Acción Extremadura, ADENEX, Fapas, LPN, CAC-CGT, Esquierda Anticapitalista, Juventudes Comunistas, Izquierda Unida, CNT, PCEX, Associacion juvenil El Garabato, Sodepaz e Grupo Retama.