Sociedade

Estrelas do cinema porno deixam público em êxtase

Estrelas do cinema porno deixam público em êxtase

São elas Ana e Erica, do DVD dos filmes porno para o meio do público. Ali, em carne e osso, as primeiras estrelas portuguesas a mostrar que existem, que não são ficção. E os primeiros visitantes do Salão Erótico a ficarem em êxtase.

Não havia ainda muita gente nas primeiras horas de abertura do V Salão Erótico Internacional de Lisboa e a entrada para o pavilhão da FIL, no Parque das Nações, tinha muito de profissionais, se bem que o certame só encerre amanhã.

Para o fim da tarde as coisas começaram a mudar e mais público começou a chegar à FIL, na maioria homens, mas igualmente muitos casais, reservados perante a Comunicação Social, mas a partilhar sensações comuns.

E, goste-se ou não do género, a verdade é que o espaço reservado ao cinema pornográfico português, da editora HotGold, não deixava ninguém indiferente. Ana Monterreal e Erica Fontes eram o centro das atenções, a primeira já com um filme rodado e em venda, "As Fantasias Sexuais de Ana" - a primeira grande produção pornográfica portuguesa, que foi posta à venda em Junho; a segunda a lançar-se agora com o "Diário Sexual de Maria".

Ana sabia ter inaugurado esta nova fase do cinema português. "É um mercado novo e importante", disse ao JN, vestida num maillot de pele, preto, questionada pela sua entrada nesta área cinematográfica. Da vida privada não fala, mas quanto à reacção que a sua família poderá ter tido ao saber que entrava nos filmes porno, Ana só tem uma resposta: "A minha família quer ver-me feliz e eu sou feliz". A jovem de 24 anos não quer, por isso, deixar de continuar nos filmes pornográficos, se bem que ainda não se sinta muito atingida na privacidade quando anda pela rua. O "filme ainda começou a ser vendido há pouco tempo", justifica. E nem mesmo o curso universitário que tirou, "engenharia dos alimentos", como diz, a convence a deixar a área.

Erica é mais jovem, nos seus 18 anos. "Fui a um casting e saí de lá seleccionada", para ser "actriz de filmes de entretenimento para adultos", diz ao JN, ao invés da classificação de actriz de filmes pornográficos. Quando chegou ao casting já tinha o 12.º ano, refere esta jovem de Lisboa, mas confessa que o desejo de entrar nesta área cinematográfica já o "tinha desde os 14 anos. Era um sonho antigo". A forma como encara a sua actividade é "profissional", mas salienta: "Tenho prazer quando faço um filme".

Mas a área do cinema pornográfico não era a única a interessar os visitantes. E que o diga Albertina Miguel, que, nos seus 59 anos, se viu de repente a dançar num dos palcos do salão ao lado com uma espécie de "mister músculos". "Fui eu quem quis ir", contou ao JN esta mulher que integrava a comitiva de Luís Goucha, que visitou, em reportagem, o Salão Erótico.

"É claro que gostei - salienta Albertina Miguel -, então já viu que sou viúva há sete anos. Então não havia de estar ali tão perto daquele borracho? Claro que gostei!".

ver mais vídeos