Sociedade

FNE rejeita revisão curricular "sobre o joelho" apenas para poupar dinheiro

FNE rejeita revisão curricular "sobre o joelho" apenas para poupar dinheiro

A Federação Nacional da Educação rejeitou, esta segunda-feira, que a revisão curricular se faça "sobre o joelho e apenas com a preocupação da poupança". Em causa, medidas admitidas pelo ministro Nuno Crato.

A Federação Nacional da Educação (FNE) rejeitou hoje que a revisão curricular se faça "sobre o joelho e apenas com a preocupação da poupança". Em causa, medidas admitidas pelo ministro Nuno Crato.

"Se a lógica for exclusivamente esta [poupança], os alunos sairão prejudicados", disse à agência Lusa o secretário-geral da FNE, João Dias da Silva, quando questionado sobre as medidas admitidas pelo ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato.

O governante disse, em entrevista ao jornal "Público", que estão em estudo duas medidas, uma relacionada com a disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) e outra com Educação Visual e Tecnológica (EVT).

Nuno Crato alega que os alunos no 9.º ano já tem suficientes conhecimentos de informática, manifestando dúvidas sobre a utilidade de manter uma disciplina para os familiarizar com os computadores.

Sobre EVT, o governante admite que o país não está em época de manter dois professores na mesma sala ao mesmo tempo, deixando em aberto a hipótese de separar a disciplina em Educação Visual e Educação Tecnológica e de os professores "alternarem a docência".

A FNE quer conhecer o contexto de toda a revisão curricular, defendendo um debate com especialistas em educação e todos os envolvidos, para ter efeitos em 2012/2013.

João Dias da Silva espera, para já, que a pressão financeira "não se sobreponha às preocupações" com a qualidade do ensino.

"São medidas em estudo (TIC e EVT), mas parecem-nos de consequências negativas, queremos conhecer o restante contexto, mas é claro que nos suscitam muitas dúvidas e preocupações da forma como estão enunciadas", declarou.