Sociedade

Foguetão vai levar víveres e recolher lixo da Estação Espacial

Foguetão vai levar víveres e recolher lixo da Estação Espacial

Foi lançado, esta sexta-feira, o foguetão Ariane 5 que vai fornecer bens essenciais à Estação Espacial Internacional,que orbita à volta da terra desde 2000,a cerca de 350 km de altura. O maior e mais moderno veículo da Agência Espacial Europeia partiu da base Kourou, na Guiana Francesa.

O Ariane 5, Veículo Automático de Transferência (ATV, na sigla original), tem o tamanho de um autocarro de dois andares e é a maior nave espacial de carga que existe. Trata-se de uma nave muito avançada que vai atracar na Estação Espacial Internacional (ISS na sigla original) em órbita, através de sistemas automáticos guiados por GPS e laser, sob a vigilância dos astronautas que apenas interferem na operação se algo correr mal.

O cargueiro transporta 258 litros de água, 100 quilos de gás (oxigénio),combustível para a propulsão da Estação (3150 quilos) e ainda 2200 quilos de carga sólida, que incluem comida fresca e bens pessoais para os astronautas. Para além disso, o AVT leva também um sistema de reciclagem de urina em água potável; um mecanismo essencial para a continuação da estadia dos astronautas no espaço.

O Ariane 5 tem ainda a função de "caixote do lixo" da Estação Espacial. Antes de desatracar, os astronautas colocam no ATV cerca de 6 toneladas de lixo que acumularam e depois o Veículo Automático segue em direção à atmosfera terrestre, onde se destrói.

Batizado com o nome do físico italiano Edoardo Amaldi é o terceiro desta série, visto que só podem ser utilizados uma vez e é superior aos outros dois lançados anteriormente em 2008 e em 2011; leva mais de mil quilos de carga que o primeiro (Júlio Verne) e mais 600 quilos que o segundo (Johannes Klepper).

Cada Veículo Automático de Transferência custa 200 milhões de euros, mais outro tanto para o desenvolvimento da operação. A Espanha participa com 5% dos gastos e as suas empresas obteram contratos industriais para o desenvolvimento do plano, num valor de 100 milhões de euros cada, segundo informa Pilar Román, do Centro para o Desenvolvimento Tecnológico e Industrial espanhol.

Estão em construção mais dois cargueiros para 2013 e 2014, dado que o programa da Estação Espacial Internacional foi alargado de 2015 até 2020 e espera-se que a Agência Europeia do Espaço (ESA) se baseie nesta conceção de nave para desenhar uma na qual possam ir astronautas.