Desemprego

Fórum Florestal defende entrega de terrenos a desempregados

Fórum Florestal defende entrega de terrenos a desempregados

O secretário-geral do Fórum Florestal propôs a entrega de terrenos pertencentes à bolsa de terras a desempregados, considerando que essa medida, em tempos de crise, atrairia pessoas para o interior do país.

"Está na altura de ponderar muito seriamente uma movimentação populacional, que leve as pessoas para o interior para trabalhar as terras", disse Hugo Jóia, em declarações à Agência Lusa.

Para o secretário-geral do Fórum Florestal, as pessoas que vivem nas grandes cidades e que possam estar interessadas em ingressar na agricultura devem de ser "motivadas para a repovoar o interior, porque as parcelas de terreno estão lá e as pessoas estão nas cidades sem fazer nada, já basta a desgraça estarem desempregadas".

Hugo Jóia, que falava à margem de uma audição na Assembleia da República (AR), com o grupo de trabalho que detém a pasta destinada à elaboração da bolsa de terras, defendeu ainda que esses terrenos devem ser entregues a jovens agricultores que não possuam propriedades.

Durante a reunião na AR foram abordados vários temas relacionados com a criação da bolsa de terras, entre as quais as questões relacionadas com o cadastro dos terrenos, definição de terrenos baldios e os impostos cobrados aos proprietários quando é feita a atualização do registo de propriedade.

O grupo de trabalho da AR com a pasta destinada à bolsa de terras recebeu ainda a Associação Florestal de Portugal (Forestis) e a Federação Nacional das Associações de Proprietários Florestais (FNAPF) para auscultar os responsáveis sobre as suas propostas para o projeto da bolsa de terras.

O Governo colocou no terreno uma bolsa de terras para fins agrícolas, florestais e silvo pastoris, projeto que integra terras do Estado, terras de particulares, terras que estão sem uso agrícola e não têm dono conhecido, ou seja, que são "terras abandonadas", e baldios.

Conteúdo Patrocinado