O Jogo ao Vivo

Bombeiros

Morte de cinco bombeiros este ano ultrapassa média anual desde 1980

Morte de cinco bombeiros este ano ultrapassa média anual desde 1980

Os cinco bombeiros mortos, este ano, no combate a incêndios florestais, ultrapassa já a média anual de três mortes verificada desde 1980, disse à agência Lusa o diretor nacional de bombeiros, da Autoridade Nacional de Proteção Civil, Pedro Lopes.

O responsável disse que a média de três bombeiros mortos por ano, desde 1980, era fixada devido aos incêndios de Armamar, em setembro de 1985, em que faleceram 14 soldados da paz, e em Águeda, em junho do ano seguinte, com 13 vítimas mortais.

Os anos de 1986 (com 16 bombeiros mortos), 1992 (com 12) e 2005 (16) foram aqueles em que mais bombeiros perderam a vida no combate a incêndios.

"Este ano, estamos já muito acima desse valor [médio]. Temos cinco mortos, lamentavelmente, e cinco feridos graves, até ontem, e mais três hoje", salientou Pedro Lopes.

O diretor nacional de bombeiros acrescentou que, no total de ocorrências de socorro, incluindio incêndios florestais, a média de mortos por ano desde 1980 é de "6,4 por ano".

Num ano em que já ardeu uma área superior a 60 mil hectares, em Portugal, segundo dados do Sistema Europeu de Informação sobre Incêndios Florestais, Pedro Lopes revelou que grande parte dos fogos tem como causa a negligência.

Recuperando elementos fornecidos pelas "forças de segurança", o diretor nacional de bombeiros afirmou que 30 por cento dos incêndios são provocados por causas desconhecidas, 22% por causas intencionais e 40% por negligência. Oito por cento corresponde a reacendimentos.

Pedro Lopes ressalvou, no entanto, que, "das causas desconhecidas, muitas também são negligentes, senão na totalidade".

O que está a aumentar de forma "grave", segundo Pedro Lopes, é o número de começo de incêndios após o pôr do sol, o que, declarou o responsável da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), denota intencionalidade no fogo.

"O que é um facto é que o número de ignições após o pôr do sol aumentou este ano", afirmou, lembrando que, no distrito de Viana do Castelo, "apareceram 31 novos focos de incêndio, o que é inacreditável, pois, a essa altura, não há intervenções nas matas ou florestas".

De acordo com Pedro Lopes, "o número de detidos" pela prática do crime de incêndio posto está a "aumentar" em relação aos anos anteriores - na terça-feira, segundo a Polícia Judiciária, este número era de 43 detidos e dois identificados.

O responsável pelo corpo nacional de bombeiros na ANPC alertou, contudo, para o facto de os detidos serem presentes a tribunal e "saírem em liberdade", pelo que "continuam a ter liberdade para pôr mais fogos".

"É importante ter medidas severas", disse, referindo que "mais importante do que agravar o Código de Processo Penal, porque já é suficiente para penalizar crimes destes", ter-se-á de rever as medidas de coação.