Sociedade

Portugal em terceiro lugar nos serviços públicos online

Portugal em terceiro lugar nos serviços públicos online

Os serviços públicos eletrónicos em Portugal posicionam-se nos primeiros lugares em três dos quatro critérios analisados no estudo "European e-Government Benchmark" de Bruxelas.

O comunicado realizado pela secretária de Estado da Modernização Administrativa explica que o estudo considerou os serviços eletrónicos online de 33 países e tem por base dados de 2013.

Relativamente aos "serviços centrados no cidadão", Portugal alcança o segundo lugar. Já nós critérios "faciltadores-chave da tecnologias de informação (TI)" e nível de "transparência", ocupa a terceira posição.

Para o terceiro lugar dos "facilitadores-chave de TI" foram considerados "os mecanismos de autenticação do Cartão de Cidadão e a disponibilidade de alguns serviços nacionais na Plataforma de Interoperabilidade da Administração Pública", segundo a Secretaria de Estado.

A "mobilidade transfronteiriça" trata-se do critério em que Portugal não conseguiu integrar o top, ficando-se pelo "oitavo lugar na vertente dos serviços prestados às empresas, com 72%", mantendo-se acima da média europeia de 53%.

O estudo lançado em maio passado baseia-se na análise do comportamento dos serviços públicos online em certos eventos de vida, como por exemplo, quando se pretende "criar uma empresa" ou mudar de residência", segundo o comunicado.

Assim, a classificação mais elevada deste âmbito surge na "perda e procura de emprego" em que o país obtem uma avaliação de 85%, (a média europeia é de 61%), ocupando o segundo lugar.No evento de vida "ser proprietário e conduzir um veículo" obtém uma classificação de 73%, quando a media europeia é de 46%, o que corresponde à segunda posição.

Na análise da "criação de um negócio próprio" a nota é 86% (média europeia de 60%), ficando na terceira posição.Foram ainda destacados pela Secretaria de Estado a "mudança de residência/país" ocupa a quarta posição, com 83% (média europeia de 57%) e as "operações regulares de negócio", quinto lugar, com 82% contra a média europeia de 61%.

Portugal "apresenta valores acima da média europeia, obtendo em vários casos as melhores classificações entre os parceiros europeus" em todos os outros eventos de vida analisados, de acordo com o comunicado da Secretaria de Estado.

A comissão Europeia considerou que "a atenção dos governos europeus está ainda muito centrada na disponibilidade de serviços públicos, o que deixa um espaço grande para a melhoria em áreas como a rapidez e facilidade de utilização e a transparência".

"A falta de progresso nestas áreas pode desgastar a confiança dos cidadãos nos serviços públicos 'online' e impedir a sua utilização", explicaram os serviços de Bruxelas, em comunicado.