Redes sociais

Redes sociais promovem democracia e facilitam comunicação

Redes sociais promovem democracia e facilitam comunicação

Acrescento de democracia e facilitador de comunicação é como vários investigadores chamam às redes sociais na internet quando refletem sobre o papel que tiveram nas últimas manifestações de rua realizadas em Portugal.

O sucesso de uma manifestação "não depende só da forma, mas também do objeto" a que se propõe a sua mobilização, diz o filósofo e professor universitário Viriato Soromenho Marques.

Para o psicanalista Carlos Amaral Dias, redes sociais como o Twitter ou o Facebook "ampliam o conceito de cidadania", pelo que "a democracia aumenta" com a maior liberdade de expressão que proporciona.

"Todos temos uma voz, nem que seja ilusória", acrescenta, por seu lado, o psicólogo e também docente universitário Miguel Pereira Lopes, para sustentar a ideia de que as redes sociais vieram "democratizar a comunicação".

Mas facilitar a comunicação não significa um impacto direto na dimensão dos protestos, havendo exemplos contraditórios.

No caso das manifestações do passado dia 15 realizadas em diversas cidades do país e que terão colocado nas ruas mais de meio milhão de pessoas, embora convocada pelo Facebook, a indicação que veio da rede social não dava a entender que o protesto assumisse tão grande dimensão, só se assemelhando ao primeiro Dia do Trabalhador comemorado em liberdade, em 1974, após a revolução de 25 de Abril.

Dados disponíveis na página daquela rede, intitulada "Que se lixe a troika! Queremos as nossas vidas" e onde foi publicado o manifesto que sustentou o protesto, foram convidadas 676.499 utilizadores para o desfile em Lisboa, mas só 58.931 confirmaram a presença. Apareceram várias centenas de milhares, segundo as autoridades.

Situação oposta ocorreu a 07 de junho de 2010, quando uma concentração contra o Acordo Ortográfico convocada através do Facebook para junto do Palácio da Ajuda, onde funcionava o então Ministério da Cultura, teve a adesão de 18.000 pessoas na rede social, mas apenas três compareceram no local.

"Entre o 'like'(gosto) e o ir lá, há uma grande diferença", considera Soromenho Marques, catedrático na Universidade de Lisboa.

Pereira Lopes, que leciona no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP) recorda que "já havia revoluções antes das redes sociais" e considera mesmo que atribuir-se ao Facebook a mudança de regimes que ficou conhecida por "Primavera Árabe" é um "exagero".

Na sua opinião, a rapidez, a par do baixo custo, são fatores determinantes no sucesso destas novas formas de comunicação, cujo impacto considera semelhante ao que causou o aparecimento do telefone e que suscitava o mesmo tipo de receios -- que os "vizinhos soubessem o que se dizia lá em casa".

Já Amaral Dias, catedrático na Universidade de Coimbra, realça que a "igualdade entre as pessoas é muito maior" nas redes sociais virtuais, que têm ainda associadas a "fraternidade" que proporciona, ao "unir mais facilmente as pessoas".

Soromenho Marques considera redes como o Facebook - que em Portugal tem 4,2 milhões de inscritos, 2,4 milhões dos quais utilizadores ativos - "espaços de intimidade pública" onde convocatórias como as das manifestações surgem como um "desafio" em que "toda a gente vai qual é a decisão" tomada pelo recetor.

A experiência repete-se no sábado, mas desta vez a manifestação anti-governamental, no Terreiro do Paço, em Lisboa, é organizada pela central sindical CGTP e convocada pelos métodos tradicionais e também através do Facebook.

Na quinta-feira à noite tinham sido convidados para a concentração cerca de 15500 membros daquela rede social, mas apenas 1530 dos quais diziam ir participar.

* Agência Lusa