Paulo Freitas do Amaral, Cruz Quebrada - Dafundo

Trocou Governo pela Junta onde acabou a guiar carrinha escolar

Trocou Governo pela Junta onde acabou a guiar carrinha escolar

São 17.30 horas. Paulo Freitas do Amaral entra na carrinha de oito lugares e, da Junta de Freguesia da Cruz Quebrada-Dafundo (Oeiras), arranca para o périplo de quatro viagens - ida e volta -, entre a escola João Gonçalves Zarco e quatro pontos específicos da localidade, onde as famílias aguardam as 30 crianças que transporta.

Em 45 minutos, o presidente da Junta estabelece tal ponte. De manhã, cenário semelhante, que leva o autarca, de 32 anos, a levantar-se às 7 horas, para realizar o percurso inverso.

Assim é há um ano, quando o ex-assessor da Secretaria de Estado das Comunidades - à frente da autarquia desde 2009 - resolveu a ausência de transporte daquelas crianças, cujas escolas encerraram e foram reencaminhadas para outra.

"Muitos pais ficaram sem meios de levar os seus filhos. Esta freguesia, além de ser envelhecida, também tem uma elevada percentagem de pessoas carenciadas", diz, ao JN, admitindo que a polivalência nas funções o obrigou a estar sempre disponível nos dois horários, com tudo o que isso acarreta para a sua vida pessoal.

A Junta contratualizou com uma colectividade o uso de uma carrinha, usada pelos atletas aos fins-de-semana e que parava ao longo da semana. "Por 100 euros por mês usamos a carrinha para levar as crianças. Ao fim-de-semana está na colectividade", resume Paulo, licenciado em História e que venceu as eleições autárquicas por somente 16 votos.

Com duas funcionárias no quadro (sem carta de condução) e um orçamento anual de 600 mil euros, o autarca tirou o complemento de condução de carrinhas escolares e poupou o salário de um motorista à Junta, onde se ainda oferece serviços de Telemedecina e alfabetização de idoso.

"Algumas pessoas disseram que isto não é função de presidente. No Governo é estar num gabinete a decidir as coisas e nem perceber a realidade do país. Estar numa Junta de Freguesia é estar na linha da frente dos problemas das pessoas", frisa o autarca, baterista num grupo musical que até já passou pelo Festival da Canção, em 2001. E, sim, o JN esclareceu a curiosidade quanto ao apelido: Paulo é primo de Diogo Freitas do Amaral.