Sociedade

Manif portuguesa em Frankfurt contra fecho de consulado

Manif portuguesa em Frankfurt contra fecho de consulado

Cerca de 500 portugueses manifestaram-se este sábado, em Frankfurt, Alemanha, contra o eventual encerramento do consulado, considerando esta decisão do Governo lesiva dos interesses da comunidade lusa naquela metrópole alemã e de Portugal.

"Se quiserem poupar, não poupem num serviço médio como o consulado, poupem uns patamares mais acima", disse à Agência Lusa o porta-voz do conselho consultivo junto daquela representação diplomática, António Justo, resumindo o seu discurso aos manifestantes, diante das instalações consulares, na Zeppelinallee.

"Se reduzissem a metade o subsídio de representação de sete mil euros e o subsídio de renda de casa de três mil euros de apenas dois cônsules gerais, já poderiam cobrir inteiramente as despesas do consulado de Frankfurt e não se perderia qualidade de serviço", acrescentou o responsável.

O representante do conselho das comunidades portuguesas na Alemanha, Alfredo Cardoso, numa breve intervenção, manifestou depois a solidariedade deste órgão eleito pelos luso-descendentes e prometeu transmitir as reivindicações dos manifestantes à estrutura mundial do conselho e às autoridades portuguesas.

A manifestação, que saiu da Praça da Ópera em direcção ao consulado, percorrendo cerca de três quilómetros, foi também apoiada, nomeadamente, pela Federação das Associações Portuguesas na Alemanha (FAPA), que aprovou em assembleia geral uma moção a apelar ao Governo para rever a sua decisão.

O desfile iniciou-se ao som da canção "Sou Português, Sou Diferente", de Pedro Barroso, e no comício diante do vice-consulado foram declamados poemas de Fernando Pessoa, e tocadas músicas de outros autores portugueses.

Um abaixo-assinado contra o fecho do consulado, a entregar em breve ao Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, foi entretanto subscrito por cerca de 3.500 portugueses, e entregue já hoje, simbolicamente, a uma funcionária que estava no posto diplomático.

O encerramento da representação diplomática em Frankfurt obrigaria mais de 20 mil utentes ali inscritos oficialmente a recorrer aos consulados-gerais de Estugarda ou de Dusseldórfia, ambos a mais de 200 quilómetros de distância, sublinharam os organizadores do protesto.