Sociedade

Comissão de Trabalhadores da RTP fala em "caraterística trapalhada relvista"

Comissão de Trabalhadores da RTP fala em "caraterística trapalhada relvista"

A Comissão de Trabalhadores da RTP definiu, esta quarta-feira, a nomeação da nova administração da empresa como uma "caraterística trapalhada relvista", declarando também que irá dialogar "sem ilusões" com os novos gestores.

O antigo presidente da Sociedade Central de Cervejas Alberto da Ponte será o novo presidente do conselho de administração da RTP, de acordo com informação disponível na própria página na Internet da RTP.

"Não se conhece ao gestor (...) nenhum currículo que o relacione com as áreas da cultura ou da comunicação social. Não se lhe conhece nenhum antecedente em qualquer serviço público, nestas ou noutras áreas", aponta comunicado divulgado pela CT da RTP ao final da tarde.

Para os trabalhadores, a indústria cervejeira "não é propriamente aparentada com o serviço público de rádio e televisão", a não ser a partir do momento "em que se queira proceder como comissão liquidatária".

A nomeação da nova administração "não teve em conta nem metade, nem um terço, dos critérios" considerados essenciais pelos trabalhadores.

"Teremos portanto pela frente um CA que não corresponde a qualquer perfil aceitável para os trabalhadores. Iremos dialogar com esse conselho de administração, por ser o que existe. Fá-lo-emos sem ilusões e sem trair os interesses dos trabalhadores", conclui a nota da CT.

No 'site' da RTP é referido que, para além de Alberto da Ponte, o conselho de administração integrará Luiana Nunes, que transita da administração anterior, e José Lopes Araújo, da direção jurídica da RTP, que passa agora a vogal do conselho de administração.

A antiga administração da RTP, liderada por Guilherme Costa, pediu a demissão do cargo na semana passada, a qual foi aceite pelo ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas.

O pedido de demissão surgiu na sequência do anúncio do consultor do Governo para as privatizações, António Borges, de que uma das propostas em cima da mesa prevê a concessão da RTP a privados, ao contrário da indicação anterior de que seria privatizado um canal.