Greve

Trabalhadores da RTP receiam entrega à polícia de imagens não editadas da greve

Trabalhadores da RTP receiam entrega à polícia de imagens não editadas da greve

Os trabalhadores da RTP receiam que a Direção de Informação da estação tenha entregado à polícia horas de imagens não emitidas da manifestação durante a Greve Geral de 14 de novembro e exigem "esclarecer" um pedido de gravação para DVD desses "brutos".

O diretor de Informação da RTP, Nuno Santos, demitiu-se, quarta-feira à noite, depois de a administração da estação ter afirmado em comunicado que "responsáveis da Direção de Informação facultaram a elementos estranhos à empresa (...) imagens dos incidentes" que ocorreram no dia da greve geral, em frente ao parlamento.

A Direção de Informação (DI), através do seu diretor-adjunto, Vítor Gonçalves, garantiu à agência Lusa, no sábado passado, que "nenhuma imagem saiu ou sairá da RTP" e que o pedido que a DI fez para a gravação de dois DVD com duas horas e quarenta e cinco minutos de imagens não emitidas é "uma salvaguarda" para a eventualidade de a empresa e uma equipa de reportagem da RTP no local, cujo carro foi danificado no dia 14, virem a apresentar queixa em tribunal contra incertos.

A explicação de Vítor Gonçalves e de Nuno Santos nunca colheu o conforto da Comissão de Trabalhadores (CT), que vem a exigir desde sexta-feira o "esclarecimento aprofundado" por parte da DI relativamente à decisão de gravar as imagens em bruto de todas as cinco equipas de reportagem que estiveram no terreno no dia da manifestação e a garantia de que nenhuma imagem não editada e não emitida - denominadas na gíria da profissão como "brutos" - "saiu da RTP ou sairá no futuro", de acordo com o porta-voz da CT, Camilo Azevedo, em declarações à Lusa.

A eventual entrega dos "brutos" às autoridades policiais "coloca em causa os princípios deontológicos pelos quais se rege a profissão de jornalista, trai a confiança entre os jornalistas e as fontes - porque as pessoas numa manifestação são fontes de uma peça de informação, ainda que não identificadas - e, sobretudo, coloca em risco a integridade física de todos os elementos de qualquer equipa de reportagem, jornalistas e pessoal técnico, que no futuro sejam destacados para cobrir eventos semelhantes", destacou ainda Camilo Azevedo.

O pedido da cópia das imagens para dois DVD, ainda de acordo com o diretor-adjunto de Informação, "foi feito de forma transparente, através dos meios normais, seguindo o protocolo das normas internas" para o efeito.

"Os DVD foram feitos, mas não foram para lado nenhum. Houve alguém que achou que eram para a polícia, mas não é verdade. Estou a dar a minha palavra que aquilo não saiu e não vai sair. Era muito grave se saísse!", disse Vitor Gonçalves à Lusa.

Esta foi uma garantia dada pessoalmente por Vitor Gonçalves à CT e ao Conselho de Redação numa reunião de urgência na passada sexta-feira, em que o diretor-adjunto substituiu o diretor de informação, Nuno Santos, que se encontrava em Londres, mas na qual esteve presente o subdiretor de Informação, Luís Castro.

"Essa história, no limite, justificava a gravação das imagens de uma cassete. E as outras? Para que é que a DI quis duas horas e quarenta e cinco minutos de gravações, de cinco equipas de reportagem ao longo da tarde, se o que lhe interessava era fazer prova de um momento que demorou apenas alguns minutos?", interroga Camilo Azevedo.

A DI pediu na passada quinta-feira, através de um email, a que a Lusa teve acesso, enviado por Ana Pitas, subdiretora de informação com responsabilidade dos Meios de Produção, as transcrições para DVD, com custos "imputáveis ao Telejornal", de 50 minutos de duas cassetes, 25 minutos de uma terceira e ainda 20 minutos de uma quarta e de uma quinta cassete num total de 165 minutos de imagens recolhidas por cinco equipas de reportagem.

"Se for possível, estas imagens devem ser identificadas com o logótipo RTP", especificava o mesmo email, enviado à secção de Planeamento da estação, com o conhecimento de Manuel da Costa, diretor-adjunto dos Meios de Produção, e ainda Aníbal Costa e Carlos Carvalho.

"Quem pediu este trabalho a Ana Pitas? Quem visualizou e apontou nas cassetes o momento a partir do qual queria a gravação? Para quem foram os DVD?", quer saber a CT.

Vitor Gonçalves acrescentou à Lusa outro dado que, na sua opinião, demonstra que as imagens não saíram da RTP.

"A PSP pediu por email na semana passada para visionar as imagens que foram transmitidas pelas várias televisões, se tivessem as nossas imagens não tinham feito esse pedido", argumentou.

Camilo Azevedo entende, em relação a este pedido em particular, que "as televisões não deviam ter disponibilizado quaisquer imagens sem um mandato judicial concreto, uma vez que, neste caso concreto, a PSP foi envolvida nos confrontos e portanto é parte interessada em quaisquer eventuais processos judiciais que venham a acontecer, pelo que as imagens nunca terão valor de prova em tribunal".

Conteúdo Patrocinado