Sociedade

Violador diz em documentário que a culpa é das raparigas

Violador diz em documentário que a culpa é das raparigas

O documentário "India's Daughter", que recorda o ataque e morte de Jyoti Singh, em 2012, foi banido pelas autoridades indianas. Em causa estão as polémicas declarações de um dos responsáveis pelo crime, que afirma que a jovem provocou o sucedido.

"Uma rapariga decente não devia andar a vaguear na rua às nove da noite. Uma rapariga é muito mais responsável pela violação do que um rapaz. Quando uma rapariga é violada, não deve oferecer resistência. Ela devia ter ficado calada e permitido que a violação acontecesse". Calmo, sem sinais de culpa, Mukesh Singh, um dos homens condenados à morte pela violação e agressões fatais à jovem estudante de Medicina, expressa o seu ponto de vista sobre as agressões sexuais e que papel devem ter as mulheres nas mesmas.

As perturbadoras declarações fazem parte do documentário "India"s Daugther", realizado pela britânica Leslee Udwin e coproduzido por Dibang, conhecida jornalista indiana, e tem data de exibição marcada para 8 de março, na BBC Four e em mais oito canais, espalhados por vários países incluindo o indiano NDTV.

Jyoti Singh, de 23 anos, foi brutalmente agredida, violada, e atirada para fora de um autocarro por seis indivíduos, em Nova Deli, em dezembro de 2012. O amigo que a acompanhava também foi agredido e a jovem acabou por morrer no hospital, duas semanas mais tarde, devido a lesões internas.

Um dos seis suspeitos morreu na prisão e outro, que era menor de idade na altura dos acontecimentos, foi considerado culpado por um tribunal de menores no final de agosto e condenado a três anos de prisão.

O caso desencadeou uma onda de protestos na Índia.