Sociedade

Pedro Rosa Mendes diz que "pagou o justo pelo pecador"

Pedro Rosa Mendes diz que "pagou o justo pelo pecador"

O jornalista Pedro Rosa Mendes comparou a demissão da Direcção de Informação da RDP a um "caso bastante infeliz de pagar o justo pelo pecador", lembrando que continua por esclarecer o fim do programa de opinião "Este Tempo".

A Direcção de Informação da rádio pública anunciou na quinta-feira, em comunicado distribuído aos jornalistas, a sua demissão, na sequência da suspensão de "Este Tempo", transmitido na Antena 1, depois de Pedro Rosa Mendes, um dos colunistas, ter criticado numa crónica o governo de Angola e o programa da RTP 1 "Reencontro", emitido a 16 de janeiro a partir de Luanda.

"Caiu a Direcção de Informação, mas esse não era o fim da história, nem é. A história é explicar-se como é que aconteceu e como é que um director-geral [de Conteúdos, Luís Marinho] pode tomar decisões desse género. Falta explicar isso", afirmou à agência Lusa Pedro Rosa Mendes, que atribui o fim do programa "Este Tempo" a um acto de censura.

O jornalista comparou a demissão da Direcção de Informação da RDP a um "caso bastante infeliz de pagar o justo pelo pecador", lamentando que saia do colectivo um jornalista "extraordinário" como o Ricardo Alexandre (director-adjunto de Informação demissionário).

"Em nenhum momento esteve em causa a honestidade e a integridade profissional da Redacção da RDP nem da equipa da Direcção de Informação", frisou.

Para o ex-jornalista da Lusa, "com intenção ou não de alguma das partes envolvidas", há "um director-geral sozinho com o seu ministro da tutela e um ministro da tutela sozinho com o seu director-geral".

Talvez, disse Pedro Rosa Mendes, "um dos dois consiga assumir aquilo que se passou com a minha crónica de 'Este Tempo'".

A Lusa procurou confrontar o ministro dos Assuntos Parlamentares com a demissão da Direcção de Informação da RDP, mas fonte do gabinete de Miguel Relvas disse que o ministro não comenta.