Sociedade

Ministro Mariano Gago pede volta à escola

Ministro Mariano Gago pede volta à escola

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Mariano Gago, disse ontem, terça-feira que o maior desafio do País é conseguir que as pessoas voltem à escola. Não basta formar mais licenciados, exortou, é preciso convencer quem já trabalha a qualificar-se mais.

 

Portugal tem cerca de um milhão de licenciados, metade do que teria se estivesse já no mesmo nível dos países mais desenvolvidos da OCDE. O que preocupa Mariano Gago são, todavia, aqueles que nunca mais procuram a universidade para prosseguirem estudos. “São 600 mil aqueles que há mais de dez anos não entram nas portas de uma instituição de ensino superior”, revelou, durante a cerimónia da tomada de posse do Reitor da Universidade do Porto (UP), Marques dos Santos.

Neste momento, salientou Mariano Gago, estão inscritos nas universidades públicas 120 mil estudantes de licenciatura e 62 mil de pós-graduação, quando o ideal seria o inverso: que 2/3 dos estudantes do ensino superior fossem pessoas que a ele regressam.

“Não basta abrir vagas, oferecer cursos em horário pós-laboral, organizar o ensino à distância - tão atrasado no nosso país. O ponto central é que aqueles a quem se dirige este esforço sejam mobilizados para estudar mais. E isto não se fará sem um enorme esforço de intervenção social e cultural”, disse o ministro.

Mariano Gago deixou ontem o apelo na tomada de posse do reitor reeleito da UP, José Carlos Marques dos Santos, cujo programa vai ao encontro da exortação do ministro. A UP prepara-se para criar uma Escola Doutoral e reforçar a oferta na área da educação contínua não conferente de grau enquanto “formação ao longo da vida”.

O aumento da oferta formativa  a novos públicos e de pós-graduações foram  os principais compromissos do Programa de Desenvolvimento que Marques dos Santos assinou ontem diante do ministro, como reforço do Contrato de Confiança já estabelecido com o Governo em Janeiro passado.

“Estamos hoje em condições para atingir metas ainda mais ambiciosas”, referiu Marques dos Santos, aludindo ao facto da UP estar praticamente a entrar no ranking das cem melhores universidades da Europa. O objectivo passa a ser, agora, entrar na lista das cem melhores universidades do Mundo.