Sociedade

Políticas ambientais mais ambiciosas podem reduzir emissões em 70%

Políticas ambientais mais ambiciosas podem reduzir emissões em 70%

A emissão de gases com efeito de estufa pode ser reduzida em 70% se forem adoptadas "medidas mais ambiciosas" pelos governos, conclui a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico.

O relatório 'Environmental Outlook to 2050', que será divulgado integralmente pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) em Março, estima que, com políticas mais ambiciosas, é possível diminuir a emissão daqueles gases em 70%, o que os colocaria 52% abaixo dos níveis de 2005.

As consequências para a taxa de crescimento médio anual do produto interno bruto (PIB) mundial até 2050 seriam mínimas: apenas 0,2 pontos percentuais, dos 3,5% para os 3,35 do PIB.

O documento, cujo capítulo sobre as alterações climáticas foi divulgado na quinta-feira, defende que se fixe um preço para o carbono, uma vez que "instrumentos como impostos ao carbono ou esquemas do mercado de emissões podem fornecer um incentivo dinâmico para a inovação e para o investimento privado em tecnologias de baixas emissões".

Além disso, "se os países industrializados adoptarem medidas de redução das emissões com que se comprometeram em Copenhaga, através de uma taxa sobre o carbono ou esquemas de mercado com licenças leiloadas na totalidade, poderiam gerar receitas extra de mais de 250 mil milhões de dólares", aponta o estudo.

A instituição liderada por Angel Gurría recomenda ainda que sejam adoptadas medidas de adaptação às "inevitáveis alterações climáticas", defendendo as vantagens da cooperação dos países industrializados com as economias em desenvolvimento e emergentes no desenvolvimento destas medidas.

A definição de objectivos "claros, credíveis e mais restritos" quanto às emissões de gases com efeitos de estufa, por seu lado, é outra das recomendações do relatório.

Sem políticas que promovam a diversificação das tecnologias energéticas, os custos de redução da dimensão do aquecimento global seriam mais elevados: o preço de limitar a subida média da temperatura a dois graus aumentaria em um terço, sem captura e armazenamento de carbono; em cerca de 50%, se a energia nuclear entrar em 'phasing out'; e mais do que duplicaria se as energias renováveis se desenvolvessem mais lentamente.

Do mesmo modo, aponta a OCDE, "atrasar a acção de mitigação e limitar as reduções das emissões às insuficientes promessas feitas em Copenhaga e Cancun iria aumentar o custo global da mitigação em cerca de 50%".

Depois das negociações falhadas de Copenhaga e de Cancun, as Nações Unidas realizam uma conferência sobre as alterações climáticas em Durban, na África do Sul, entre 28 de Novembro e 9 de Dezembro. Na conferência, serão debatidos os mecanismos de financiamento para ajudar os países em desenvolvimento a atenuar os efeitos das alterações climáticas e a adaptarem-se.